Paris, 27 ago (EFE) - O presidente francês e de turno da União Européia (UE), Nicolas Sarkozy, ressaltou a urgente necessidade de diminuir a tensão, em uma longa conversa telefônica esta noite com o chefe de Estado russo, Dmitri Medvedev, seguida de outra com o governante georgiano, Mikhail Saakashvili.

Ele também pediu que sejam aplicados "plenamente" os seis pontos do acordo de cessar-fogo, indicou o Palácio do Eliseu em comunicado.

"A implementação das medidas adicionais de segurança, assim como o tema dos refugiados, foram alvo de conversas profundas", informa a nota.

Horas antes, em discurso, Sarkozy tinha antecipado que diria esta noite ao presidente russo que deve aplicar plenamente o acordo, mediado por ele e assinado pela Rússia e Geórgia.

No pronunciamento perante a conferência dos embaixadores franceses, afirmou que as forças militares russas que não se retiraram ainda às posições anteriores ao começo do conflito devem fazê-lo "sem demora".

Também disse que o mecanismo internacional que deve substituir as patrulhas russas em torno da Ossétia do Sul deve se desdobrar "rapidamente".

No contato telefônico, segundo o Palácio do Eliseu, Sarkozy lembrou "as posições da Presidência do Conselho da UE sobre a decisão russa de reconhecer a independência de Abkházia e Ossétia do sul", e abordou a cúpula extraordinária da UE de segunda-feira sobre a crise.

O bloco europeu condenou com firmeza o reconhecimento russo da independência de diferentes regiões georgianas, e lembrou "com força" seu apego à integridade territorial da Geórgia dentro das fronteiras internacionalmente reconhecidas.

Em seu discurso, Sarkozy acusou a Rússia de querer mudar "unilateralmente" as fronteiras da Geórgia, o que é "simplesmente inaceitável", e advertiu de que o desenlace do conflito determinará "por muito tempo" as relações da UE com Moscou. EFE al/db

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.