Sarkozy pede que UE ajude a indústria com dinheiro público

Estrasburgo (França), 20 out (EFE).- O presidente francês, Nicolas Sarkozy, pediu hoje aos Governos da União Européia (UE) que contribuam com fundos públicos em ajuda às suas grandes empresas para evitar uma desvantagem contra as de outras regiões do mundo e que caiam nas mãos de investidores estrangeiros.

EFE |

Após o acordo da UE em resposta à crise do setor financeiro, Sarkozy apelou hoje no Parlamento Europeu para que seus membros enfrentem "com medidas concretas" a crise na economia real.

Para o presidente francês, "a crise financeira nos leva a uma crise econômica" à qual, assim como fizeram perante as turbulências, os membros da UE devem responder de maneira unida.

"Conheço perfeitamente os desacordos entre alguns países, mas não posso imaginar como vão dizer que diante da crise financeira é preciso uma resposta única européia e perante a crise econômica não", ressaltou.

Entre as idéias que colocou aos eurodeputados, destaca a criação de fundos soberanos em cada Estado membro para entrar no capital das grandes empresas e evitar que sejam compradas por companhias de outros países.

"Não quero que os cidadãos europeus despertem dentro de uns meses e vejam as companhias européias em mãos estrangeiras", disse.

A utilização coordenada desses fundos soberanos - utilizados habitualmente pelos países com grandes superávits correntes, como China, Rússia e outros exportadores de matérias-primas - permitiria dar "uma resposta industrial à crise", afirmou.

Ele se referiu, também, ao lucro que a venda dos ativos poderia reportar aos cofres públicos com a melhora das condições do mercado.

Nessa mesma linha, o presidente francês pediu a iniciação de um plano de assistência ao setor automobilístico similar ao adotado nos Estados Unidos - que aprovará empréstimos privados a juros baixos para a General Motors, Ford e Chrysler-, para não deixar as fabricantes europeus em uma situação de desvantagem.

As propostas de Sarkozy receberam o apoio do presidente da Comissão Européia (CE, órgão executivo da UE), José Manuel Durão Barroso, que destacou a necessidade de ajudar a indústria a superar a crise e, ao mesmo tempo, impulsionar um modelo mais ecológico para combater a mudança climática.

Tanto Sarkozy quanto Barroso repetiram durante todo o debate que a Europa enfrenta um "momento histórico", que definirá seu futuro durante décadas, e sobre a necessidade de identificar novas soluções e não recorrer a fórmulas do passado.

O presidente francês ressaltou que, após as medidas de urgência, chegou o momento de perfilar "as verdadeiras respostas" para garantir que turbulências como as atuais não voltem a ocorrer.

Perante a próxima cúpula internacional para a reforma do sistema financeiro, Sarkozy propôs organizá-la em torno ao Grupo dos Oito (G8 - os sete países mais ricos do mundo e a Rússia) -, contando com os países do G5, que reúne as principais economias emergentes (Brasil, México, China, Índia e África do Sul).

Ele se mostrou partidário de uma reunião preparatória prévia com os membros da UE, mas considerou que ampliar o convite a países como a Espanha poderia gerar problemas com outros como a Polônia.

No debate de hoje, os principais grupos políticos da Eurocâmara mostraram apoio às idéias de Sarkozy e à atuação coordenada da UE perante a crise, como explicitou o líder do grupo do Partido Popular Europeu (PPE), Joseph Daul.

O porta-voz socialista, Martin Schulz, se declarou "impressionado" pela resolução de Sarkozy e Barroso, e ironizou a "linguagem da social-democracia européia".

"Embora tarde, me alegro que tenha chegado aqui", disse Schulz, que pediu à "corrente conservadora", na qual incluiu tanto o presidente francês quanto o da CE, que reconheça seus "erros" por apoiar a desregulação nos últimos anos.

Por sua vez, o liberal Graham Watson pediu a criação de uma "autoridade financeira européia", enquanto que Daniel Cohn-Bendit, do Partido Verde, defendeu a replantação de todo o modelo de crescimento para levá-lo rumo a uma via mais ecológica. EFE mvs/ab/jp

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG