Sarkozy cobra de líder das Farc libertação de Betancourt

O presidente francês, Nicolas Sarkozy, cobrou a libertação da refém franco-colombiana Ingrid Betancourt numa mensagem dirigida ao líder do grupo rebelde Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), Manuel Marulanda. A partir de agora, uma decisão tomada por você é o suficiente para salvar uma mulher da morte e para manter a esperança viva para todos aqueles que ainda estão detidos: tome esta decisão, liberte Ingrid Betancourt!, disse o presidente francês, em um discurso transmitido pela televisão.

BBC Brasil |

Betancourt, ex-candidata à Presidência da Colômbia, está em poder das Farc há cerca de seis anos.

Dirigindo-se a Marulanda pelo nome, Sarkozy citou o suposto estado de fragilidade física em que Betancourt se encontra e disse que não libertar a ex-candidata seria um "grave erro político" além de um "crime".

"Você seria responsável pela morte de uma mulher", insistiu.

Relatos indicam que Ingrid Betancourt teria iniciado uma greve de fome nas últimas cinco semanas. Reféns das Farc libertados recentemente confirmaram que ela está gravemente doente.

Nicolas Sarkozy disse que Ingrid Betancourt "está em perigo de morte iminente" e que não tem mais forças para resistir a um "cativeiro interminável".

Referindo-se à greve de fome, Sarkozy disse que uma situação dessas num ambiente hospitalar já é perigosa e que no meio da floresta "é mortal".

Sinal
Sarkozy cobrou de Marulanda "uma demonstração de humanidade" e disse que toda a comunidade internacional estava esperando a libertação da refpem franco-colombiana.

"Diante dessa situação, senhor Marulanda, você tem de entender a expectativa da França e da comunidade internacional."
Sarkozy disse que que seu governo está apenas esperando por um sinal das Farc para iniciar uma operação de resgate.

"A França está esperando apenas um sinal da sua parte para organizar imediatamente - em consultas com as autoridades relevantes - uma missão humanitária para ajudar a cuidar de Ingrid e de seus colegas prisioneiros mais fracos."
O presidente da França disse ainda que seu país não tem o direito de ficar passivo e que uma decisão precisa ser tomada "imediatamente" para salvar a vida de Ingrid Betancourt.

"A vida de uma mulher está em jogo. Todos têm de enfrentar as suas responsabilidades. Você tem a sua. Assuma-a".

O primeiro-ministro francês, François Fillon, afirmou na semana passada que a França receberia ex-guerrilheiros como parte de um acordo para libertação de reféns.

Ainda na semana passada, o governo da Colômbia disse que autorizaria a libertação de guerrilheiros das Farc caso se os rebeldes entregassem antes um grupo de reféns, entre eles Ingrid Betancourt.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG