Sarah Palin renuncia ao governo do Alasca de olho na presidência americana

WASILLA - A ex-candidata à vice-presidência americana, Sarah Palin, renunciou na noite de domingo a seu cargo de governadora do Estado do Alasca, sem dar muitos detalhes sobre suas aspirações políticas futuras, embora os analistas acreditem que ela esteja preparando seu lançamento como candidata à presidência nas próximas eleições.

Redação com agências internacionais |

Palin fez questão de listar os êxitos realizados durante sua administração.

"É porque amo tanto o Alasca, que sinto que é meu dever evitar a fase improdutiva, tão típica da política americana, do último ano de governo", afirmou Palin, que foi a governadora mais jovem do Alasca e a primeira mulher a ocupar esse cargo.


Palin oficializou sua renúncia no último domingo / AP

"Com esta decisão, estarei em condições de lutar mais duramente por vocês, pelo que é correto e pelo que é verdadeiro. Jamais acreditei que precisava de um cargo para fazer isso", afirmou Palin a uma multidão em um piquenique, durante o qual entregou o cargo ao vice-governador, Sean Parnell.

Mas seu último discurso em Fairbanks, Alaska, menos de um mês depois de anunciar sua renúncia em 3 de julho, proporcionou poucas pistas sobre seus planos futuros.

Segundo uma pesquisa do Washington Post-ABC News publicada na sexta-feira, 53% dos americanos têm uma opinião negativa de Palin e 40% a acham positva, o que constitui seu pior índice desde a campanha das presidenciais de 2008, quando foi apresentada como candidata à vice na chapa de John McCain.

A derrota do Partido Republicano nas eleições de novembro o deixou fragmentado e sem rumo. Nesse vazio, o populismo direitista de Palin deu força a aqueles que a viam como futura candidata presidencial em 2012.

Agora, demissionária em um país que não tem muito apreço por quem abandona a briga no meio do caminho, Palin pode seguir uma lucrativa carreira nos veículos de comunicação - há rumores de que tem ofertas para um programa de televisão - ou pode construir no plano político um movimento que a devolva ao cenário nacional. Por enquanto, resta ver o que o futuro reserva para ela.

Leia mais sobre: Sarah Palin

    Leia tudo sobre: eleições nos euaeuasarah palin

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG