Washington, 2 set (EFE).- A ex-candidata republicana à Vice-Presidência dos Estados Unidos Sarah Palin quis manter a gravidez de sua filha de 17 anos em segredo e adotar o bebê posteriormente, segundo o pai, Levi Johnston, disse em entrevista publicada hoje pelo site da Vanity Fair.

"Sarah me disse que tinha uma grande ideia. Manteríamos (a gravidez) em segredo e ninguém saberia que Bristol (filha de Sarah) estava grávida", assegurou Johnston, na entrevista, que será publicada na íntegra primeira edição de outubro da "Vanity Fair" e teve algumas partes antecipadas hoje pelo site da revista.

"Ela me disse que quando Bristol tivesse o bebê, ela e Todd (seu marido) o adotariam. Desta forma, Bristol e eu não teríamos que nos preocupar com nada", acrescentou Johnston, de 19 anos.

O ex-namorado de Bristol, que não abandonou a mídia apesar de ter terminado sua relação com a mãe da criança, assegurou que a Sarah "não parava de mencionar o plano" e "não se rendia", apesar dos dois adolescentes rejeitarem constantemente a possibilidade de deixá-la adotar o bebê.

A polêmica sobre a gravidez de Bristol acompanhou a ex-governadora do Alasca durante toda a campanha eleitoral de 2008, já que a equipe de John McCain publicou a notícia somente três dias após anunciar que Sarah seria a candidata à Vice-Presidência do partido republicano.

"Acho que Sarah queria que Bristol tivesse uma boa imagem e não queria que as pessoas soubessem que sua filha de 17 anos ia ser mãe", disse Johnston, que morou na residência da família Palin durante dois meses e meio, após as eleições de novembro de 2008.

Segundo ele, a casa dos Palin era "muito diferente do que muita gente espera de uma família normal", já que nenhum dos pais cozinhava e "as crianças tinham que fazer tudo". EFE llb/pd

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.