Washington, 11 nov (EFE).- A ex-candidata à Vice-Presidência dos Estados Unidos pelo Partido Republicano Sarah Palin reconheceu hoje que a perda do voto latino foi um dos motivos que levaram à derrota nas eleições de 4 de novembro.

"Não contamos com o voto hispânico e isso é algo muito significativo que temos que considerar", disse a governadora do Alasca em entrevista concedida ao canal de televisão "NBC".

Ainda sem os dados definitivos, as primeiras estimativas após o pleito indicam que Obama obteve 67% do voto hispânico e o candidato republicano, John McCain, 31%.

Em sua análise sobre a derrota dos republicanos, a governadora considerou, além disso, que a superioridade financeira dos democratas e o voto contra a atual Administração do republicano George W. Bush foram determinantes.

Palin também respondeu às polêmicas que circularam em torno dela nos últimos dias, como por exemplo sobre a despesa em roupas que a campanha teve, seu conhecimento sobre política externa, e suas supostas tensas relações com McCain.

"Tivemos uma grande relação desde o primeiro dia", assegurou, "é afetuosa, de amizade, de admiração e carinho".

A ex-candidata negou ter gastado US$ 150 mil em roupa para ela e para sua família durante a campanha e assegurou que ficou "estupefata" quando escutou isso pela primeira vez.

Quanto aos comentários que circularam nos últimos dias sobre membros da campanha que revelaram que para Palin a África era um país, não um continente, a governadora considerou que eram uns "covardes" e questionou "quem foram essas pessoas". EFE elv/rr

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.