Sapo que toma sol pode ser chave para salvar anfíbios

Cientistas da Universidade de Manchester, na Grã-Bretanha, afirmaram que sapos que gostam de tomar sol em árvores podem ser a resposta para compreender como um fungo mortal está aniquiliando anfíbios do mundo todo. O fungo quitrídio está ligado à extinção de muitos anfíbios em vários países.

BBC Brasil |

Agora, os cientistas estão usando uma tecnologia não invasiva para registrar imagens e descobrir como alguns sapos da América Central conseguem vencer a doença causada pelo fungo.

A maioria dos sapos evita exposição prolongada ao sol, a luz e o calor seco acabam ressecando a pelo deste anfíbio.

Mas, alguns sapos da Costa Rica conseguem viver bem nestas condições.

"Eles ficam no sol por longos períodos sem se prejudicarem. Mas, até agora, ninguém conseguiu descobrir como eles fazem isso", disse Andrew Gray, curador de estudos dos répteis no Museu de Manchester, que mantém uma grande coleção de sapos desta região.

Desafio
Segundo Gray o desafio era descobrir formas de examinar a pele destes sapos em detalhe sem machucá-los, já que alguns são de espécies muito ameaçadas.

O pesquisador então se uniu a uma equipe de físicos do Instituto de Ciência do Fóton da Universidade de Manchester, que estavam trabalhando com uma nova tecnologia para registro de imagens chamada Tomografia de Coerência Ótica (OCT, na sigla em inglês), para uso médico.

A OCT revelou que os sapos em questão tinham um pigmento diferente na pele, chamado pterorhodin, que permitia que os sapos refletissem a luz do espectro infra-vermelho, ao invés de absorvê-la.

A melanina, o pigmento encontrado normalmente na pele, absorve a luz.

Alguns acreditam que os sapos podem refletir a luz para que possam se esconder nas folhas onde ficam, que também refletem este mesmo comprimento de onda. Assim, os sapos se escondem de predadores que conseguem enxergar apenas dentro da escala de infra-vermelho.

"Acreditamos que os sapos também estão refletindo a luz e calor para regular a temperatura, para esfriar o próprio corpo. A superfície da pele é quente, enquanto o corpo permanece frio", disse Andrew Gray.

Alguns destes sapos que tomam sol conseguem até exibir um brilho levemente metálico quando estão no sol, acrescentou o cientista.

Temperatura
Para Gray, o efeito reflexivo na estrutura da pele deste sapos, revelada pela OCT pode ajudar os cientistas a compreender como o fungo quitrídio (ou Batrachochytrium dendrobatidis) está afetando sapos.

"O fungo quitrídio vive na pele do sapo, mas consegue viver apenas em uma certa temperatura."
"Foi mostrado em sapos fora de seu ambiente natural que, se a temperatura da pele for elevada por períodos curtos, os fungos desaparecem", disse o cientista.

"Nós pensamos: e se os sapos que tomam sol estiverem fazendo isso naturalmente? E se for a defesa natural contra o fungo?'"
Se o ajuste de temperatura está ligado ao fungo quitrídio, as recentes mudanças climáticas nas regiões onde vivem os sapos podem ter afetado sua habilidade de combater infecções, causando as grandes quedas nos números de sapos, disse Gray.

"Na Costa Rica, na floresta tropical de Monteverde, as condições mudaram muito nos últimos dez anos."
"Atualmente existe mais cobertura de nuvens, o que deixa os sapos com menos oportunidade para tomar sol e para combater o fungo sozinhos", acrescentou.

A equipe agora está usando a técnica com o OCT para ver como espécies diferentes de sapos, que têm o pigmento especial na pele, refletem a luz. E também para estudar a estrutura em sapos que não tem o pigmento especial pterorhodin.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG