Sim em desafio aberto ao governo boliviano - Mundo - iG" /
Publicidade
Publicidade - Super banner
Mundo
enhanced by Google
 

Santa Cruz encerra campanha pelo Sim em desafio aberto ao governo boliviano

A região de Santa Cruz, capital econômica da Bolívia, encerra nesta quarta-feira sua campanha a favor do estatuto de autonomia, em um desafio aberto ao presidente Evo Morales e suas acusações de movimento separatista, num momento em que a Organização dos Estados Americanos (OEA) busca estabelecer um diálogo para reaproximar as duas partes.

AFP |

Os líderes civis de Santa Cruz, coordenados pelo prefeito Rubén Costas, marcaram para esta quarta-feira o encerramento da campanha. A votação, que acontecerá no próximo domingo, é considerada ilegal pela Corte Nacional Eleitoral, mas mesmo assim deve contar com a participação de aproximadamente 900.000 eleitores.

Nos últimos dias, a mídia local publicou pesquisas apontando que 70% da população votará pelo 'Sim' aos estatutos de autonomia, que se aprovados entrariam em vigor já na próxima segunda-feira, segundo as autoridades departamentais. O governo federal, porém, afirma que os estatutos não possuem qualquer validade.

A ameaça de grupos radicais de recorrer a medidas violentas por causa do referendo de autonomia levou o governo boliviano a lançar um decreto na terça-feira proibindo o porte de armas de fogo por civis.

Apesar da polêmica que o cerca, o referendo não deixa de ser, segundo o governo, uma simples consulta popular, já que não está de acordo com a Carta Magna vigente.

Para Santa Cruz, por outro lado, depois do referendo de domingo "nasce uma nova República, uma Segunda República não centralista", segundo disse Costas recentemente.

O governo se declarou "alarmado por causa dessas intenções (...), que demonstram as verdadeiras intenções desses estatutos que pretendem fazer aprovar no ato do dia 4 de maio", declarou o vice-ministro de Coordenação com os Movimentos Sociais, Sacha Llorenti.

Essa dicotomia é apenas uma mostra da magnitude do enfrentamento entre duas concepções de Nação, e que deixou a Bolívia à beira de um abismo.

O peso da eventual divisão deste país é tal que a própria Igreja católica considerou que, no momento, no existem condições para iniciar um diálogo que ponha fim à crise política, a apenas quatro dias do polêmico referendo não vinculante.

"Ainda não foram dadas as condições para iniciar o diálogo", admitiu o monsenhor Jesús Juárez, membro da Conferência Episcopal boliviana.

É nesse cenário de confronto que uma missão da OEA, coordenada pelo ex-chanceler argentino Dante Caputo, iniciou nesta quarta-feira uma terceira tentativa de aproximar as partes em conflito.

O emissário da OEA se encontrou mais cedo nesta quarta com Evo Morales na sede presidencial do Palácio Quemado, em La Paz. Mais tarde, embarcou a caminho de Santa Cruz, onde deve se reunir com o prefeito Rubén Costas.

"O presidente manifestou sua vontade de estabelecer o diálogo", afirmou o subsecretário de Assuntos Políticos da OEA, após seu encontro de quase duas horas com o presidente boliviano, enfraquecido pela grave crise política que se instalou no país.

"Vamos ver agora pelo outro lado (dos prefeitos) como anda a coisa (para conseguir o diálogo)", disse Caputo, ao anunciar uma reunião com os prefeitos de Santa Cruz, Tarija, Beni e Pando, que lutam pela autonomia.

Outras regiões também estão divididas, como Chuquisaca e Cochabamba: seus líderes civis conservadores apoiam a realização de referendos pela autonomia, enquanto grupos sociais locais a rejeitam.

Em La Paz, Oruro e Potosí - que no século passado sustentaram a economia nacional com a mineração - a autonomia buscada por Santa Cruz não encontra apoio.

Santa Cruz, com cerca de 2,5 milhões de habitantes e uma extensão territorial que supera os 370.000 km2, é o atual motor da economia boliviana, com uma participação de aproximadamente 30% no PIB nacional.

rb/ap/sd

Leia tudo sobre: iG

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG