Salman Rushdie quer escrever sobre sua vida marcada pela condenação à morte

O escritor Salman Rushdie, que teve de viver escondido por uma década depois que, em 1988, o então líder do Irã, o aiatolá Ruhollah Khomeini, emitiu um decreto religioso condenando-o à morte por blasfêmia, evocou a possibilidade de escrever um livro sobre essa experiência.

AFP |

Em entrevista à BBC, o autor de 61 anos do famoso e polêmico "Versos satânicos", afirmou que, há alguns anos, teria sido muito difícil escrever sobre os anos em que viveu escondido, temendo por sua vida.

"Foi um período muito difícil, que durou uns nove anos. Mas agora, creio que há uma história a contar", declarou Rushdie, que foi recentemente condecorado co o título de cavaleiro da rainha Elizabeth II.

"Um dia desses, talvez a conte", acrescentou o autor, que acaba de publicar um novo romance, "The Enchantress of Florence".

"Há muita gente me animando a isso", concluiu.

Em 1998, o governo iraniano se distanciou do fatwa (decreto religioso) pronunciado por Khomenei, dizendo que não apoiava qualquer tentativa de matar Rushdie, apesar de recentemente um porta-voz das autoridades iranianos dizer que o decreto ainda está em vigor.

bur/cn

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG