Saiba quem são os possíveis candidatos argentinos

Queda de popularidade e de credibilidade do casal Kirchner esquenta concorrência pelo principal cargo do país

Leandro Meireles Pinto, iG São Paulo |

Apesar de ainda faltar mais de um ano para as eleições presidenciais de 2011, novos nomes e também velhos conhecidos dos argentinos já se preparam para a disputa. Conheça abaixo quem são os possíveis candidatos a presidente no ano que vem.

Néstor Kirchner

Getty Images
Néstor Kirchner, ex-presidente da Argentina
Nascimento: 25 de fevereiro de 1950
Cidade natal: Río Gallegos
Partido: Justicialista
Biografia: Kirchner nasceu em Río Gallegos, cidade na Província de Santa Cruz, na região da gelada Patagônia, origem que lhe rendeu o apelido de "Pinguin".

A vida política de Kirchner começou em 1987, quando foi eleito prefeito da cidade de Río Gallegos, em Santa Cruz.

Em 1991, foi eleito governador de sua província natal e ficou no cargo até 2003, após conseguir duas reeleições consecutivas.

Foi seu governo à frente de Santa Cruz que impulsionou sua candidatura à presidência da Argentina em 2003.

Eleito presidente, Kirchner desistiu de concorrer à reeleição em 2007, apesar de estar em fim de mandato com uma popularidade de 50% - o mais alto nível de aceitação desde a restauração democrática, em 1983.

Cristina Fernández de Kirchner

Getty Images
Cristina Kirchner, presidente da Argentina
Nascimento: 19 de fevereiro de 1953
Cidade natal: La Plata
Partido: Justicialista
Biografia: Advogada de 57 anos, entrou para a política em 1989, ao ser eleita parlamentar da Província de Santa Cruz. Em 1991 estava em Buenos Aires, capital da Argentina, exercendo o cargo de deputada federal.

Foi senadora entre 2005 e 2007, antes de ser lançada candidata à presidência pelo marido e então presidente Néstor Kirchner. Cristina foi eleita presidente da Argentina em 2007 com a maioria de votos em todas as regiões do país, com exceção de Buenos Aires, a área mais rica e populosa da Argentina.

Os bons índices de popularidade do início do mandato caíram pelas denúncias de corrupção contra o casal, pela incapacidade de controlar a inflação e pela tentativa de cobrar um imposto agrícola que desatou um conflito de meses com os ruralistas em 2008.

Carlos Reutemann

Divulgação
Carlos Reutemann
Nascimento: 12 de abril de 1942
Cidade natal: Santa Fé
Partido: Justicialista
Biografia: Reutemann, de 68 anos, é um ex-piloto de Fórmula 1 que entrou para a política após deixar as pistas, em 1982.

Como piloto, ele venceu 12 GPs e obteve 6 pole-positions. Correu ao lado de nomes como Nelson Piquet, Alain Prost e Bruno Giacomelli. No campeonato de 1981, um ano antes de sua aposentadoria, Reutemann ficou em segundo lugar na classificação geral, perdendo o título na última corrida.

Após a aposentadoria, em 1982, a popularida de Reutemanna na Argentina o levou à liderança do Partido Justicialista (peronista) na Província de Santa Fé. Foi eleito governador duas vezes (1991-1995 e 1999-2003). Depois, em 2003, foi eleito senador. Neste ano, anunciou que tentará ser o candidato peronista nas eleições presidenciais de 2011.

Eduardo Duhalde

Getty Images
Eduardo Duhalde, ex-presidente da Argentina
Nascimento: 5 de outubro de 1941
Cidade natal: Lomas de Zamora
Partido: Justicialista
Biografia: Funcionário público desde 1971, Duhalde foi eleito prefeito de Lomas de Zamora, sua cidade natal, em 1983. Depois elegeu-se para Câmara dos Deputados, em 1987, e para o governo da Província de Buenos Aires, em 1991.

Como governador de Buenos Aires, Duhalde teve altos e baixos. Em oito anos no comando (1991-1999) da província mais rica do país, entrou em conflito em várias ocasiões com grupos sociais antagônicos do peronismo e foi aclamado por enfrentar a corrupção e a brutalidade da polícia.

Posteriormente, porém, sua administração se tornou alvo de denúncias de corrupção por causa do aumento de gastos e da dívida local. A Província de Buenos Aires estava em quase falência quando ele deixou o governo, em 1999, forçando seu sucessor, Carlos Ruckauf, a iniciar o pagamento dos funcionários públicos locais e fornecedores com títulos que não eram resgatáveis.

Em 2002, após ser eleito presidente interino pelo Congresso, Duhalde desvalorizou o peso em 28,57%, pondo fim a dez anos de paridade da moeda com o dólar. Depois, congelou os depósitos em 30 bilhões de pesos e converteu o sistema financeiro, até então dolarizado, para a moeda local, o que enfureceu os poupadores.

Julio Cobos

Divulgação
Julio Cobos, atual vice-presidente da Argentina
Nascimento: 30 de abril de 1955
Cidade natal: Mendoza
Partido: União Cívica Radical
Biografia: Apesar de ser o atual vice-presidente da Argentina, Cobos faz oposição ao governo de Cristina Kirchner.

A carreira de Cobos na política começou em 2003, quando foi eleito governador de Mendoza pela União Cívica Radical (UCR), a mais tradicional rival do peronismo. Em 2007, Cobos deixou a UCR para formar chapa com Cristina, que o escolheu como vice para ampliar seu apoio além do Partido Justicialista. Mas Cobos rompeu a aliança um ano depois da posse, durante o conflito com os ruralistas.

Como presidente do Senado e tendo direito ao voto de Minerva, ele ganhou popularidade em julho de 2008, quando desempatou uma votação derrubando o pacote tributário que elevaria os impostos sobre as exportações agrícolas. Os peronistas chamaram Cobos de traidor e Cristina o excluiu das atividades oficiais, mas sem poder demiti-lo. No começo deste ano, Cobos anunciou que pretende disputar a presidência pela UCR.

Ricardo Alfonsín

Divulgação
Ricardo Alfonsín
Nascimento: 2 de novembro de 1951
Cidade natal: Chascomús
Partido: União Cívica Radical
Biografia: Ricardo Alfonsín, advogado de 58 anos, é filho do ex-presidente argentino Raúl Alfonsín (1983-1989).

Alfonsín foi eleito para seu primeiro cargo político em 1999, quando venceu as eleições para deputado da Província de Buenos Aires.

Em setembro de 2004, sua filha de 15 anos morreu em um acidente e Alfonsín deixou a política até 2007, quando se candidatou, sem sucesso, a governador da Província de Buenos Aires. Desde dezembro de 2009, Alfonsín exerce o cargo de deputado federal. Ele já deu indícios de que deseja ser candidato pela União Cívica Radical.

Mauricio Macri

Divulgação
Mauricio Macri, atual prefeito de Buenos Aires
Nascimento: 8 de fevereiro de 1959
Cidade natal: Tandil
Partido: Proposta Republicana (PRO)
Biografia: Mauricio Macri, de 51 anos, é um empresário argentino de destaque nos setores da indústria e construção. Divorciado e pai de dois filhos, Macri é o atual prefeito de Buenos Aires.

Em 2003, Macri fez sua estreia na política ao fundar o partido de centro-direita Compromisso para a Mudança. Naquele ano, concorreu à prefeitura da cidade de Buenos Aires, mas perdeu no segundo turno para Aníbal Ibarra.

Em 2005, Macri juntou-se a Ricardo Murphy e criou um partido conservador chamado Proposta Republicana (PRO). Por essa legenda, conseguiu ser eleito deputado federal.
Em 2006, Macri alternou seu cargo na Câmara dos Deputados com a presidência do clube de futebol Boca Juniors, o mais popular do país. Ele faltou a 70% das votações legislativas, o que foi muito criticado pela oposição peronista.

Em 2007, concorreu novamente à prefeitura de Buenos Aires e foi eleito no segundo turno com 60% dos votos.

    Leia tudo sobre: ArgentinaCristina KirchnerNéstor Kirchner

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG