SAIBA MAIS-Vice de Obama é experiente em polític internacional

23 de agosto (Reuters) - O candidato democrata à presidência Barack Obama anunciou neste sábado que Joseph Biden, senador por Delaware, será seu vice na chapa. Biden, presidente do Comitê de Relações Exteriores do Senado, é visto como uma liderança em assuntos internacionais. -- Nos anos 1990, Biden foi um dos primeiros a conclamar uma liderança ativa dos EUA para por fim à violência sérvia nos Bálcãs, instando à suspensão do embargo de armas sobre a Bósnia. Ele ainda exigiu que os EUA e a OTAN investigassem crimes de guerra nos Balcãs e apoiou ataques aéreos da OTAN contra forças sérvias.

Reuters |

-- Antes de 11 de setembro de 2001, Biden propôs que o foco do governo Bush em defesa com mísseis deveria ser direcionado a ameaças mais plausíveis. Em um discurso pronunciado um dia antes dos ataques em solo americano, ele disse que a nova ameaça não viria de um ataque de mísseis intercontinentais, mas 'na barriga de um avião' ou em 'um frasco infiltrado em uma mochila' ou uma bomba a bordo de um navio.

-- Em 2002, embora considerando o Iraque uma ameaça, ele se opôs a um ataque unilateral, classificando-o como 'a pior opção'. Biden e o senador Richard Lugar, principal nome republicano no Comitê de Relações Exteriores, esboçaram uma resolução para autorizar a administração Bush a agir para remover armas de destruição em massa somente após o esgotamento das opções diplomáticas. Bush se opôs a esta e negociou outra resolução que lhe deu amplos poderes. Biden a criticou, mas votou a seu favor e disse que a recuso do Iraque de cooperar com as inspeções de armas da ONU justificava a ação militar.

-- Biden criticou severamente a condução de Bush na guerra do Iraque e disse que o governo 'deveria abrir o jogo com o povo americano' sobre os custos e a duração do compromisso no Iraque. Ele instou Bush a organizar uma cúpula de aliados e ampliar a coalizão para 'remover a face americana' da ocupação.

-- Em 2006, Biden, que fez pelo menos oito viagens ao Iraque, co-autorizou um plano visando pôr fim à violência sectária no Iraque, que solicitava a federalização do país para dar a curdos, xiitas e sunitas 'espaço para respirar' em suas próprias regiões semi-autônomas.

-- Ele conclamou uma forte ação americana e internacional para evitar o genocídio em Darfur, e formulou uma legislação para envolver a OTAN e providenciar sanções adicionais para pressionar o regime sudanês.

-- No Paquistão, Biden pediu uma presença americana mais visível e mais esforço para promover instituições democráticas.

Ele solicitou ajuda financeira incondicional para projetos como escolas, estradas e assistência médica e apoio para reformas governamentais e sociais, mas condicionando a ajuda na segurança aos resultados.

-- No início deste mês, Biden viajou à Geórgia para se encontrar com o presidente Mikhail Saakashvili em meio ao conflito com a Rússia. Ele disse que saiu 'convencido de que a invasão russa da Geórgia pode ser o evento isolado mais significativo a ocorrer na Europa desde o fim do comunismo'.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG