Saiba mais sobre a Coréia do Norte

A Coréia do Norte, que entregou nesta quinta-feira (26) a anunciada declaração nuclear sobre seus programas atômicos, vive sob um regime comunista fechado e a ideologia oficial, que prega a auto-suficiência, assola parte da população com a fome, o terror e o subdesenvolvimento.

AFP |

Mais de um terço das crianças da Coréia do Norte sofrem de grave desnutrição, advertiu recentemente o Programa Alimentar Mundial (PAM).

Desde 1995, o país é cenário de períodos de fome que provavelmente causaram a morte de centenas de milhares de pessoas.

A fome se explica pelas numerosas catástrofes climáticas que afetam o país, como inundações ou secas. Mas também, segundo os analistas, devido a uma agricultura coletivista e a uma precária rede de distribuição alimentar.

Em relação aos direitos humanos, o cômputo é ainda considerado mais terrível.

O regime segue cometendo numerosas e graves violações" dos direitos humanos, considerou o Departamento de Estado em seu relatório anual divulgado no final do ano passado.

Entre essas violações, os Estados Unidos já denunciaram as execuções extrajudiciais, desaparecimentos e prisões arbitrárias, tortura, abortos e infanticídios forçados na prisão, a ausência de liberdade de expressão e de religião e as tentativas do governo de controlar a informação.

Símbolo da guerra fria entre os Estados Unidos e a União Soviética, a península coreana foi dividida em duas partes pelo paralelo 38.

A Coréia do Sul e a Coréia do Norte proclamaram sua independência em 1948, antes de se enfrentarem militarmente entre 1950 e 1953, deixando cerca de 3 milhões de mortos em ambos os lados.

A Coréia do Norte foi dirigida com mão-de-ferro por seu fundador Kim Il-Sung até 1994, tendo como sucessor o filho dele, Kim Jong-Il.

O país dedicou a Kim Il-Sung um culto à personalidade próximo da idolatria. No final dos anos 1980, cerca de 34 mil monumentos foram erguidos em sua homenagem.

Depois de sua morte em 1994, continua sendo oficialmente "presidente eterno".

Em 2002, o regime comunista introduziu uma leve dose de economia de mercado, autorizando certa flexibilidade nos preços.

    Leia tudo sobre: coréia do norte

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG