Sadr mostra satisfação com saída de tropas dos EUA de cidades do Iraque

Bagdá, 1 jul (EFE).- O clérigo radical xiita Moqtada al-Sadr expressou hoje sua satisfação com a retirada das tropas americanas das cidades iraquianas, e pediu ao Governo para cumprir suas promessas de colocar fim à ocupação estrangeira.

EFE |

"Como todos os iraquianos, quero a partida das tropas invasoras de nosso sagrado território, por isso espero que o que aconteceu ontem, terça-feira, seja uma retirada verdadeira, e não só algo aparente", ressaltou Sadr em comunicado, divulgado em Bagdá.

Nesse sentido, destacou que, "se a retirada for verdadeira, representa uma condecoração de honra e um capítulo brilhante na história da nobre resistência iraquiana, que ainda faz tudo para libertar o Iraque e seu povo".

Além disso, o clérigo afirmou que, se a retirada militar americana dos centros urbanos foi só uma medida aparente, o Governo deverá cumprir as datas e compromissos que prometeu ao povo iraquiano, para colocar fim à presença estrangeira no Iraque.

Sadr disse que a permanência de algumas forças americanas, não pertencentes a unidades de combate, nas cidades revela a falta de seriedade do Executivo iraquiano e do Exército dos EUA em cumprir o calendário de retirada.

Além disso, advertiu que o descumprimento pelas autoridades dessas promessas representará "uma alta traição" aos iraquianos.

Segundo ele, para que seja "total e útil, a retirada deve incluir todas as forças de ocupação: Exércitos, serviços secretos, milícias e companhias de segurança".

"Nós não queremos a intromissão das tropas de ocupação nos assuntos políticos, sociais e econômicos do Iraque", disse Sadr, líder da milícia Exército Mehdi e um dos mais inflamados críticos à presença das tropas dos EUA no Iraque.

Ontem, terminou o prazo para a retirada do Exército dos EUA dos centros urbanos iraquianos, em virtude do acordo de segurança assinado entre Washington e Bagdá em dezembro do ano passado, que também estabelece que deve sair totalmente do território iraquiano até 2012. EFE ah-aj/an

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG