O sacrifício de porcos é totalmente injustificável para o combate ao vírus gripal H1N1, enquanto testes estão sendo realizados para determinar se os animais podem ser infectados, declarou à AFP o diretor da Organização Mundial da Saúde Animal, Bernard Vallat.

AFP: O sacrifício de porcos promovido pelo Egito tem sentido do ponto de vista sanitário?

Bernard Vallat: "Com as informações que dispomos, é totalmente injustificável qualquer sacrifício de animais, seja para prevenir ou para controlar esta crise. Quando houver razões para se abater animais para impedir a propagação de um germe patogênico, como por exemplo durante a gripe aviária, a OIE possui normas para que esses abatimentos ocorram em condições decentes, para evitar sacrifícios inúteis.

Esses abatimentos levam também à apreensão de uma propriedade individual pelo Estado: é preciso ainda haver uma compensação financeira, está em todas as constituições. E é preciso haver medidas de higiene: a OIE divulgou normas sobre os meios mais higiênicos de destruir os cadáveres, o que apresenta ainda inconvenientes ambientais."

AFP: Os animais estão relacionados ao surgimento da gripe do tipo H1N1?

R: "A recombinação que gerou este novo vírus patogênico ocorreu em um organismo vivo, mas não sabemos em qual: pode ser um ser humano, um pássaro ou um porco. Não temos ainda um animal doente e não sabemos como as pessoas que têm este novo vírus foram infectadas.

Todas as autoridades veterinárias dos 174 países-membros da OIE estão em pé de guerra para acompanhar o que se acontece com as espécies sensíveis à gripe. No momento, ninguém conseguiu estabelecer uma ligação mínima entre um animal doente e uma pessoa infectada.

Esperamos ansiosamente os resultados de experiências científicas em curso nos Estados Unidos e no Canadá para saber se este vírus é capaz de infectar algumas espécies animais. De maneira geral, as espécies mais sensíveis à gripe são os porcos, os pássaros e os cavalos. Graças às experiências em curso, saberemos se esses animais podem ser portadores, com ou sem sintomas. Os carnívoros como o cão e o gato podem ser sensíveis à gripe, mas em uma forma mais rara"

AFP: É preciso mudar os hábitos alimentares ?

R: "Isto é totalmente inútil, porque não há fator algum de risco ligado a este episódio de gripe. Há rumores segundo os quais será preciso cozinhar bem a carne antes de consumi-la: gostaria de dizer às pessoas que gostam de presuntos secos que não parem de consumi-lo, porque não se considera mais que o presunto seco ou salgado esteja relacionado a qualquer fator de risco".

boc/dm

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.