Russos permanecem na Geórgia e preocupam o Ocidente

Por James Kilner TBILISI9 (Reuters) - Tropas e tanques russos ainda estavam organizados em várias áreas da Geórgia na terça-feira, aparentemente desafiando a pressão do Ocidente para que se retirem logo.

Reuters |

Policiais armados georgianos e soldados russos guardavam postos de controle separados por apenas alguns metros na vila de Igoeti, no centro da Geórgia, a 45 quilômetros da capital Tblisi.

O Ministério da Defesa russo afirmou que a retirada do Exército começou, mas na segunda-feira um correspondente da Reuters que viajava para a cidade de Gori viu poucas evidências de uma retirada da área.

O conflito começou há 10 dias, quando forças georgianas tentaram recapturar a Ossétia do Sul, que se separou de Tbilisi em uma guerra durante a década de 1990. A Rússia contra-atacou para dar apoio aos separatistas.

O ataque russo -- sua maior organização militar fora de sua fronteira desde a queda da União Soviética em 1991 -- contou com ataques aéreos a alvos econômicos da Geórgia, forçando o exército georgiano a recuar, e chocou o Ocidente.

Os Estados Unidos e a França pediram na segunda-feira uma rápida retirada russa em linha com um acordo de cessar-fogo mediado pelos franceses. Esse e outros pedidos similares não tiveram impacto visível já que Moscou negou-se a determinar um cronograma de retirada.

Uma autoridade norte-americana afirmou que ainda não há sinais de que as forças russas tenham começado a sair. A Geórgia diz que eles estão ampliando sua presença.

'Espero que o mundo tenha acordado para o que está acontecendo. Os russos deveriam sair do meu país', disse o presidente georgiano, Mikheil Saakashvili, na segunda-feira. 'O pior que o mundo poderia fazer seria se comprometer e mostrar fraqueza'.

Ministros das Relações Exteriores da Otan vão se reunir em Bruxelas para discutir a crise na terça-feira.

Uma autoridade dos EUA afirmou que os norte-americanos vão pedir aos membros da Otan que considerem suspender as reuniões ministeriais com Moscou para pressionar a Rússia a respeitar o acordo de paz na Geórgia.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG