Russos e georgianos tentam novamente solucionar conflito no Caúcaso

Genebra, 19 nov (EFE).- A Rússia e a Geórgia começaram hoje uma segunda tentativa de solucionar seu conflito por causa das regiões separatistas da Ossétia do Sul e da Abkházia, com mediação internacional, um mês depois do fracasso de uma primeira reunião.

EFE |

As delegações da Rússia, Geórgia, Estados Unidos, Abkházia, Ossétia do Sul e os mediadores da União Européia (UE), da Organização para a Segurança e a Cooperação na Europa (OSCE) e da ONU chegaram esta manhã ao Palácio de Nações em Genebra, onde ocorrerá esta segunda tentativa.

Para evitar um novo fracasso, desta vez, o formato será de discussões "informais" em forma de dois grupos de trabalho que discutirão, respectivamente, a segurança e a estabilidade no Caúcaso, e sobre os milhares de deslocados deixados pelo conflito armado ocorrido em agosto.

"Esperamos ter discussões construtivas", disse à imprensa um membro da delegação da Abkházia, o único que deu declarações.

Afirmou que serão "oito delegações" participantes, dando a entender que Ossétia do Sul e Abkházia não estão integradas nas missões da Rússia e da Geórgia, como ocorreu na vez passada, quando Moscou e Tbilisi trouxeram representantes das duas regiões, pró-russos e pró-georgianos, de acordo com cada caso.

Esta segunda tentativa de chegar a uma solução vem precedida, no entanto, pelos distúrbios ocorridos nos últimos dias nas fronteiras com a Ossétia do Sul e a Abkházia, regiões separatistas onde permanecem as tropas russas e que foram reconhecidas como independentes por Moscou.

Para a Geórgia, sua integridade territorial continua sendo inegociável, e segundo informações, pedirá na reunião de hoje a retirada russa das regiões em conflito.

O conflito em agosto explodiu quando a Geórgia lançou uma operação surpresa para tentar recuperar o território da Ossétia do Sul, que estava "de fato" sob controle russo, o que provocou uma forte contra-ofensiva de Moscou.

As discussões em Genebra são um dos pontos que definidos pouco depois entre o presidente da França, Nicolas Sarkozy, em nome da UE, e o chefe de Estado da Rússia, Dmitri Medvedev. EFE vh/an

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG