Rússia vai manter 7 mil homens na Ossétia do Sul e na Abecásia

O governo da Rússia anunciou nesta terça-feira que manterá 7,6 mil soldados nas regiões autônomas da Abecásia e da Ossétia do Sul, na Geórgia, depois de retirar suas tropas de outras regiões do país. O anúncio foi feito um dia depois de o presidente Dmitry Medvedev ter se comprometido a retirar suas tropas de posições georgianas tomadas durante o conflito de agosto, o que deve ocorrer em meados do próximo mês.

BBC Brasil |

Medvedev, no entanto, já havia reiterado que pretendia manter bases militares nas duas regiões em disputa.

Segundo o ministro das Relações Exteriores russo, Sergei Lavrov, as tropas permanecerão nas duas regiões separatistas "por um longo período".

Lavrov ainda afirmou que a permanência das forças russas na região é necessária para "que não se repitam mais ações armadas" e que foi solicitada pelos líderes dos Parlamentos das duas regiões.

Ao detalhar os planos russos, o ministro da Defesa, Anatoly Serdyukov, afirmou que cerca de 3,8 mil soldados russos permancerão em cada uma das regiões separatistas.

Relações diplomáticas
Lavrov afirmou esperar que os representantes das duas provínicias separatistas possam participar da reunião internacional marcada para o dia 15 de outubro em Genebra, na Suíça, onde será discutida a situação política da região do Cáucaso.

A Rússia também anunciou ter retomado as relações diplomáticas com as duas províncias autônomas da Geórgia.

A retomada nas relações segue o reconhecimento por parte do governo russo da Abecásia e Ossétia do Sul como Estados independentes, decisão que foi criticada tanto pelos Estados Unidos como pela União Européia.

Depois de um encontro com o presidente francês Nicolas Sarkozy e com representantes da União Européia, na segunda-feira, o presidente russo Dmitry Medvedev se comprometeu a retirar suas tropas da Geórgia dez dias após a chegada de 200 observadores internacionais à região, o que aconteceria outubro.

No entanto, testemunhas afirmaram ter visto já nesta terça-feira a retirada dos primeiros soldados russos de um posto de fiscalização em Ganmukhuri, cidade próxima à fronteira com a Abecásia.

Além da Abecásia e da Ossétia do Sul, forças russas estão presentes nas chamadas zonas-tampão, que ficam próximas às províncias separatistas, e no porto de Poti, no Mar Negro.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG