Rússia usará acordo com EUA para impedir escudo antimísseis

Moscou, 2 abr (EFE).- O vice-ministro de Relações Exteriores Rússia, Serguei Riabkov, afirmou hoje que pretende começar logo as negociações com os Estados Unidos sobre a redução de seus respectivos arsenais nucleares, para tentar impedir a construção do escudo antimísseis americano no leste europeu.

EFE |

A Rússia tentará esta manobra através de uma cláusula impedindo o posicionamento de armas ofensivas estratégicas fora dos territórios nacionais.

"Por enquanto, não há datas concretas. Esperamos que as conversas comecem em breve", disse Riabkov à agência oficial "Itar-Tass".

Por enquanto, a falta de especialistas em desarmamento em ambos os lados é um dos principais obstáculos para as negociações, cuja retomada foi anunciada ontem pelos presidentes da Rússia, Dmitri Medvedev, e EUA, Barack Obama.

Em sua primeira reunião bilateral, eles assinaram em Londres uma declaração conjunta neste sentido, para substituir o Tratado de Redução de Armas Estratégicas (Start), assinado em 1991, quando ainda existia a União Soviética, e válido desde 1994, mas que expira em dezembro.

Medvedev e Obama disseram ontem que o Start "cumpriu seu propósito e os níveis máximos de armamento estipulados no acordo foram alcançaram há um longo tempo".

O futuro acordo buscará, segundo eles, níveis de redução armamentista menores que os do atual Tratado de Moscou sobre Reduções de Armamento Estratégico Ofensivo, de 2002.

Este último documento estipulava que, até 2012, ambas as potências não tivessem mais do que 2.200 cargas nucleares.

Rússia quer limitar não só as ogivas nucleares, mas também mísseis balísticos intercontinentais, foguetes lançados de submarinos e bombardeiros e armas estratégicas fora dos territórios nacionais, ponto onde pretende impedir o escudo antimísseis, anunciado pelo ex-presidente George W. Bush. EFE io/jp

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG