Tamanho do texto

Por Oleg Shchedrov MOSCOU (Reuters) - A Rússia está tomando medidas preventivas de segurança devido à preocupação com uma guerra nuclear na sua fronteira oriental, depois do teste nuclear norte-coreano desta semana, disse uma fonte oficial a agências de notícias na quarta-feira.

Uma fonte não-identificada de segurança disse à Interfax que a tensão na península da Coreia poderia atingir as regiões mais a leste do país, onde a Rússia tem uma pequena fronteira com a Coreia do Norte.

"Surgiu a necessidade de um pacote apropriado de medidas preventivas", disse a fonte. "Não estamos falando em ampliar esforços militares, e sim de medidas caso um conflito militar, talvez com o uso de armas nucleares, exploda na península da Coreia."

A Coreia do Norte reagiu à condenação internacional e à ameaça de novas sanções da ONU dizendo que não se considera mais obrigada a cumprir o armistício que encerrou a Guerra da Coreia (1950-53).

Uma fonte da chancelaria russa disse à agência Itar-Tass que é preciso tomar cuidado para que a "guerra de nervos" não leve a um conflito armado, numa clara referência à decisão de Pyongyang de abandonar o armistício.

"Pressupomos que uma perigosa política à beira do abismo, uma guerra de nervos, está em andamento, mas que não irá crescer para uma guerra 'quente'", disse essa fonte à Tass. "É preciso moderação."

A chancelaria russa costuma usar declarações de fontes não-identificadas, passadas a agências oficiais de notícias, para divulgar suas posições a respeito de assuntos delicados.

O presidente Dmitry Medvedev condenou o teste nuclear norte-coreano, mas sua chancelaria alertou a comunidade internacional a não tomar decisões apressadas.

A Rússia tem poder de veto no Conselho de Segurança da ONU, que está discutindo uma resolução a respeito da situação na península da Coreia.

No passado, Moscou relutava em aceitar as propostas ocidentais por novas sanções. Mas funcionários russos na ONU têm dito que desta vez a autoridade do Conselho está em xeque.

"Não podemos dar cobertura para quaisquer sanções que levem à desestabilização do regime de não-proliferação", disse uma fonte da chancelaria à Interfax.

Tal fonte deixou claro que a Rússia ainda não se decidiu sobre como votar na ONU. "Não devemos subscrever qualquer opção específica de antemão", afirmou.

Porém, a fonte que falou à Tass sugeriu que a Rússia poderia apoiar novas sanções. "A resolução deve envolver medidas como sanções", disse. "O Conselho de Segurança da ONU está envolvido em um trabalho duro."

(Reportagem adicional de Conor Humphries)