Rússia teme guerra nuclear entre as Coreias, diz agência

Por Oleg Shchedrov MOSCOU (Reuters) - A Rússia está tomando medidas preventivas de segurança devido à preocupação com uma guerra nuclear na sua fronteira oriental, depois do teste nuclear norte-coreano desta semana, disse uma fonte oficial a agências de notícias na quarta-feira.

Reuters |

Uma fonte não-identificada de segurança disse à Interfax que a tensão na península da Coreia poderia atingir as regiões mais a leste do país, onde a Rússia tem uma pequena fronteira com a Coreia do Norte.

"Surgiu a necessidade de um pacote apropriado de medidas preventivas", disse a fonte. "Não estamos falando em ampliar esforços militares, e sim de medidas caso um conflito militar, talvez com o uso de armas nucleares, exploda na península da Coreia."

A Coreia do Norte reagiu à condenação internacional e à ameaça de novas sanções da ONU dizendo que não se considera mais obrigada a cumprir o armistício que encerrou a Guerra da Coreia (1950-53).

Uma fonte da chancelaria russa disse à agência Itar-Tass que é preciso tomar cuidado para que a "guerra de nervos" não leve a um conflito armado, numa clara referência à decisão de Pyongyang de abandonar o armistício.

"Pressupomos que uma perigosa política à beira do abismo, uma guerra de nervos, está em andamento, mas que não irá crescer para uma guerra 'quente'", disse essa fonte à Tass. "É preciso moderação."

A chancelaria russa costuma usar declarações de fontes não-identificadas, passadas a agências oficiais de notícias, para divulgar suas posições a respeito de assuntos delicados.

O presidente Dmitry Medvedev condenou o teste nuclear norte-coreano, mas sua chancelaria alertou a comunidade internacional a não tomar decisões apressadas.

A Rússia tem poder de veto no Conselho de Segurança da ONU, que está discutindo uma resolução a respeito da situação na península da Coreia.

No passado, Moscou relutava em aceitar as propostas ocidentais por novas sanções. Mas funcionários russos na ONU têm dito que desta vez a autoridade do Conselho está em xeque.

"Não podemos dar cobertura para quaisquer sanções que levem à desestabilização do regime de não-proliferação", disse uma fonte da chancelaria à Interfax.

Tal fonte deixou claro que a Rússia ainda não se decidiu sobre como votar na ONU. "Não devemos subscrever qualquer opção específica de antemão", afirmou.

Porém, a fonte que falou à Tass sugeriu que a Rússia poderia apoiar novas sanções. "A resolução deve envolver medidas como sanções", disse. "O Conselho de Segurança da ONU está envolvido em um trabalho duro."

(Reportagem adicional de Conor Humphries)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG