Moscou, 8 set (EFE).- O presidente da Rússia, Dmitri Medvedev, anunciou hoje que seu país retirará todas as suas forças das áreas adjacentes às regiões separatistas georgianas da Abkházia e da Ossétia do Sul e informou o início de conversas internacionais em 15 de outubro em Genebra.

Medvedev afirmou isto em uma entrevista conjunta com o presidente da França e rotativo da União Européia (UE), Nicolas Sarkozy, na qual afirmou que Moscou recebeu garantias de que a Geórgia não usará a força contra a Abkházia e a Ossétia do Sul.

"A retirada (das tropas) será realizada no curso de dez dias depois do posicionamento nesta região de mecanismos internacionais, que incluem pelo menos 200 observadores da UE, o que deverá acontecer no máximo no dia 1º de outubro de 2008", disse Medvedev.

O presidente russo disse que é necessário "acelerar a alocação de observadores adicionais na Ossétia do Sul e Abkházia em um número suficiente para substituir as forças de paz russas".

Sobre isso, Sarkozy afirmou que "dentro de um mês acontecerá a retirada total das Forças Armadas russas do território georgiano, à parte da Ossétia do Sul e da Abkházia".

"Encaminhei ao presidente Medvedev uma carta do presidente (da Geórgia), Mikhail Saakashvili na qual se compromete a não usar a força na Abkházia e na Ossétia do Sul, o que corresponde ao acordo de 12 de agosto", disse Sarkozy.

Medvedev destacou que o reconhecimento por Moscou das independências da Ossétia do Sul e da Abkházia tem "caráter irrevogável" e lamentou que a UE não compreenda que essa é a única maneira de garantir a segurança das populações dessas duas regiões separatistas georgianas.

"Penso que, no futuro, a decisão adotada pela Rússia (o reconhecimento da Abkházia e da Ossétia do Sul) será compreensível para um maior número de países, e nosso exemplo será seguido por outros Estados", acrescentou.

A respeito das conversas internacionais, Medvedev anunciou seu início para 15 de outubro em Genebra.

A realização desse diálogo está prevista no plano de cessar-fogo do conflito no Cáucaso, alcançado com a mediação de Sarkozy.

As conversas entre o Medvedev e Sarkozy, que chegou a Moscou acompanhado do alto representante para Política Externa e Segurança Comum da UE, Javier Solana, e do presidente da Comissão Européia (CE, órgão executivo da UE), José Manuel Durão Barroso, aconteceram no Castelo Mein Dorf, nos arredores da capital russa. EFE bsi/wr/plc

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.