Rússia realiza maior desfile militar desde o fim da URSS

A Rússia organizou nesta sexta-feira o maior desfile militar do país desde a queda da União Soviética, com direito a mísseis nucleares e tanques na Praça Vermelha de Moscou, sob a alegação de comemorar a vitória de 1945 na Segunda Guerra Mundial.

AFP |

A cerimônia teve as presenças do novo presidente russo, Dmitri Medvedev, e de seu antecessor, Vladimir Putin, agora primeiro-ministro.

O ministro da Defensa, Anatoli Serdiukov, revistou as tropas do Exército, Aeronáutica e Marinha, vestidas com os novos uniformes desenhados pelo estilista russo Valentin Yudashkin.

Medvedev fez um discurso no qual advertiu para os "conflitos armados" provocados por "ambições irresponsáveis.

"A história das guerras mundiais mostra que os conflitos armados não nascem por si sós; são desencadeados por aqueles que impõem suas ambições irresponsáveis aos interesses de países e de continentes, de milhões de pessoas", disse Medvedev em seu primeiro gran discurso como presidente da Rússia.

Atualmente, o país vive um momento de tensão com os países ocidentais, especialmente com os Estados Unidos, que foram acusados várias vezes pelo ex-presidente Putin de terem uma postura unilateral e intervencionista.

O desfile desta sexta-feira, que pela primeira vez nos últimos 18 anos conta com armamentos pesados, pretende "mostrar nosso crescente potencial em termos de defesa", afirmara Putin no início da semana.

Moscou não esconde a meta de recuperar seu papel no cenário internacional, apesar da postura resultar em crises com o Ocidente dignas da época da Guerra Fria e de uma crescente ameaça militar na Abkhazia, um território separatista pró-russo da antiga república soviética da Geórgia.

Um total de 8.000 homens e 110 equipamentos pesados (tanques, baterias antiaéreas móveis e mísseis de até 100 toneladas) passaram pela Praça Vermelha, assim como 32 aviões e helicópteros.

A Rússia celebra a vitória na Segunda Guerra Mundial em 9 de maio. O conflito acabou na Europa oficialmente em 8 de maio, horário alemão. Porém, devido ao fuso horário já era 9 de maio na Rússia.

vl/fp

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG