Rússia processa 3 homens por assassinato de jornalista

Por James Kilner MOSCOU (Reuters) - Promotores russos acusaram três homens pelo assassinato da jornalista Anna Politkovskaya, que criticava o abuso de direitos na Chechênia pelo governo russo, mas o editor do jornal onde ela trabalhava disse não acreditar que o crime foi resolvido.

Reuters |

Um atirador baleou a jornalista em seu apartamento no centro de Moscou em outubro de 2006. O assassinato chocou o Ocidente, mas, na Rússia, quase não repercutiu fora dos círculos intelectuais que a liam no jornal.

'Três figuras são acusadas do assassinato da jornalista', dizia um comunicado do gabinete do promotor-geral.

Segundo os promotores, os homens são: Sergei Khadzhikurnov, Dzhabrail Makhmudov e Ibragim Makhmudov.

No mês passado, os promotores acusaram outro homem, Rustam Makhmudov, que diz não ter matado a jornalista. As investigações sobre ele continuam, segundo os promotores.

Dmitry Muratov, editor-chefe do jornal Novaya Gazeta, para o qual Politkovskaya escrevia, disse que é 'absolutamente impossível' afirmar que a investigação sobre a morte está acabada.

Falando na rádio Ekho Moskvy, Muratov acusou autoridades próximas aos interrogatórios de negligenciar 'vazamentos de informações que permitiram que muitas pessoas envolvidas no crime, incluindo o assassino, escapassem'.

'Um crime não pode ser resolvido se o próprio assassino está muito distante ou, provavelmente, além das fronteiras de nosso país, que há muito sofre; se quem ordenou o assassinato não foi identificado; se não há nenhum caso criminal contra os que permitiram os vazamentos', disse.

Uma das maiores críticas do Kremlin, Politkovsvaya era conhecida no Ocidente pela campanha pelos direitos humanos na Chechênia, onde as forças russas lutaram contra rebeldes em duas guerras desde 1994.

Seus livros foram traduzidos para o inglês e venderam bem no mundo todo, apesar de não terem sido publicados na Rússia.

Uma coleção póstuma, intitulada 'For What?' ('Para Quê?') foi publicada na Rússia e vendeu muito no ano passado, quando foi lançada.

A Novaya Gazeta, de propriedade parcial do ex-líder soviético Mikhail Gorbatchev, tem baixo alcance entre a população geral russa.

(Reportagem adicional de Dmitry Solovyov)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG