MOSCOU - Navios russos zarparam nesta segunda-feira para manobras no Caribe, programadas para sinalizar aos Estados Unidos o ressurgimento da Rússia como potência militar e política global.

O exercício, resultado de uma sólida aliança com o presidente antiamericano da Venezuela, Hugo Chávez, será atentamente acompanhado pelas Marinhas ocidentais, por ser a primeira mobilização russa desse tipo -- tão próxima da costa dos EUA -- desde o fim da Guerra Fria.

O porta-voz naval Igor Dygalo disse que o cruzador 'Pedro, o Grande', movido a energia nuclear e portando mísseis, partiu da sua base perto de Murmansk, junto com o destróier anti-submarino Almirante 'Chabanenko' e dois navios de apoio, para a viagem de 15 mil milhas até a Venezuela.

As relações entre Rússia e EUA passam por um dos seus piores momentos nos últimos anos desde que Moscou ocupou a vizinha Geórgia para proteger as regiões separatistas da Ossétia do Sul e Abkházia, no começo de agosto.

A Rússia reagiu com irritação à presença de navios militares norte-americanos no mar Negro, que Moscou considera ser sua esfera de influência. Os EUA enviaram as embarcações para fornecer ajuda à aliada Geórgia.

Dygalo não comentou relatos da imprensa de que submarinos nucleares também participariam do exercício e que outros navios russos iriam à Síria, onde Moscou já manifestou intenção de instalar bases.

'Durante a viagem, os navios vão participar dos primeiros exercícios conjuntos com a Marinha venezuelana, a fim de treinar simulações e operações de resgate contra terroristas do mar', disse Dygalo. A missão deve levar vários meses.

Declínio russo

Nos anos que se seguiram ao colapso soviético, as Forças Armadas russas, antes tão orgulhosas de si, declinaram rapidamente, devido à falta de verbas. Em alguns momentos, aviões e navios não podiam sair por falta de combustível.

Mas a recuperação econômica, ajudada pelo preço do petróleo, permitiu que o Kremlin despejasse dinheiro nos quartéis, que se tornaram símbolo do resgate do poderio russo.

Apear disso, analistas ocidentais dizem que a frota naval do país ainda precisa ser modernizada.

No começo do mês, Moscou enviou bombardeiros Tu-160 para a Venezuela, numa aparente reação à confirmação de que os EUA devem instalar um escudo antimísseis no Leste Europeu. A Rússia diz que tal escudo altera o equilíbrio estratégico da região, embora Washington diga não se tratar de uma ameaça à Rússia.

A imprensa russa disse na segunda-feira que a frota enviada ao Caribe pode ser maior e mais armada do que o Ocidente acha, e pode fazer escalas imprevistas.

'Os navios russos serão seguidos por aviões anti-submarino e por submarinos nucleares com mísseis a bordo', disse o jornal Nezavisimaya Gazeta, sem entrar em detalhes.

Outro jornal, o Izvestia, disse que no seu trajeto a frota russa terá de passar pelo estreito de Gibraltar e o Mediterrâneo, onde também há presença naval dos EUA.

Leia mais sobre Rússia

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.