Rússia lembra os 65 anos da vitória sobre a Alemanha nazista

Elena Garuz. Moscou, 9 mai (EFE).

EFE |

Elena Garuz. Moscou, 9 mai (EFE).- Rússia lembrou hoje o 65º aniversário da vitória sobre a Alemanha nazista com a tradicional parada militar na Praça Vermelha, que neste ano teve a presença no desfile pela primeira vez de soldados dos países aliados na Segunda Guerra Mundial. Em seu discurso a partir da tribuna, o presidente russo, Dmitri Medvedev, destacou a presença de tropas dos países integrantes da coalizão antihitleriana, assim como de tropas dos Estados-membros da pós-soviética Comunidade dos Estados Independentes (CEI). "Esta formação única é um testemunho de nossa vontade comum de defender a paz e não permitir uma revisão dos resultados da guerra, de não permitir novas tragédias", disse. O chefe do Kremlin chamou à unidade para enfrentar os novos desafios e ameaças globais. "Só juntos podemos enfrentar às ameaças atuais, com base na boa vizinhança podemos solucionar os problemas de segurança global, para que os ideais da justiça e o bem triunfem no mundo todo, e a vida das futuras gerações seja livre e feliz", afirmou. Segundo Medvedev, o mal acumula forças, por isso é preciso estar sempre atento. "As lições da Segunda Guerra Mundial nos chamam à solidariedade. A paz é frágil, como sempre foi, e estamos obrigados a lembrar que a guerra não começa de repente", disse. Além disso, ressaltou que "em 1945 se alcançou a vitória, não só militar, mas também moral, uma vitória global", e assinalou: "esta guerra nos transformou em uma nação forte". Em seu discurso, Medvedev teve palavras de agradecimento para os veteranos: "há 65 anos, conquistastes a paz para nosso país e para todo o planeta e nos destes a possibilidade de viver. Nossa mais profunda reverência diante de vós. Feliz Dia da Vitória! Glória aos vencedores!". Medvedev tomou a palavra depois que o ministro da Defesa russo, Anatoli Serdiukov, passasse às tropas em revista. Após o discurso soou o hino da Rússia, que deu início ao desfile pelo da Praça Vermelha de soldados russos, de países da CEI e dos Estados Unidos, do Reino Unido, França e Polônia, ao que seguiram 159 veículos militares. Abriram a passagem tanques T-34 e foi exibida a artilharia autopropulsada SU-100 de tempos da disputa mundial. Circularam também pela Praça Vermelha foguetes tático-operacionais Iskander-M, sistemas de defesa aérea com mísseis S-300, S-400 e Pantsyr-S1, plataformas de lançamento múltiplos de foguetes Smerch e plataformas móveis com mísseis balísticos intercontinentais Topol-M, a arma mais temível do arsenal russo. Depois, 127 equipamentos, entre aviões militares de transporte, de ataque, cisterna, bombardeiros estratégicos pesados, caças e helicópteros de ataque e de transporte, sulcaram os céus da capital russa divididos em 20 grupos a uma altitude de 300 metros e a uma velocidade de 550 km/h. Além disso, aviões de ataque SU-25 e caças MiG-29 desenharam no céu o número 65 e outros seis SU-25, as cores branco, azul e vermelho da bandeira da Rússia. Fecharam a parada, orquestras militares dos Estados Unidos, Reino Unido, França e Rússia, que interpretaram a "Ode à Alegria", o quarto movimento da Nona Sinfonia de Beethoven, o hino oficial russo e o da União Europeia. À cerimônia, na qual participaram 11,5 mil soldados, assistiram 3 mil veteranos, 200 procedentes de outros 24 países. Entre os 30 líderes estrangeiros presentes na cerimônia estavam a chanceler alemã, Angela Merkel, o presidente israelense, Shimon Peres, e o dirigente chinês, Hu Jintao. Após o desfile, o presidente russo e seus convidados estrangeiros se dirigiram a pé aos Jardins, aos pés das muralhas do Kremlin, onde fizeram um minuto de silêncio e depositaram flores diante do túmulo do Soldado Desconhecido. EFE egw/dm

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG