Rússia exige que Geórgia se retire e renuncie à força para negociar

Moscou, 10 ago (EFE).- A Rússia declarou hoje que só negociará com a Geórgia se Tbilisi retirar suas tropas na Ossétia do Sul para as posições de antes do conflito e se comprometer por escrito a não voltar a usar a força.

EFE |

"O presidente (russo, Dmitri Medvedev) já marcou as condições necessárias: a retirada das tropas georgianas (...) e o compromisso da Geórgia por escrito de não usar a força na Ossétia do Sul", disse o vice-ministro de Exteriores russo, Grigory Karasin.

O diplomata disse que Geórgia deve retirar suas forças à "linha de separação referendada em 1992 nos acordos de Dagomis", nos quais Moscou e Tbilisi colocaram os princípios de regra do anterior conflito armado entre Geórgia e sua região separatista.

Além disso, a Geórgia deve se comprometer por escrito a não usar a força, algo que a Rússia e a comunidade mundial exigiam há muito tempo e que os georgianos rejeitavam sob qualquer pretexto, afirmou Karasin, em entrevista coletiva.

"Sem a assinatura desse acordo, não é possível nem falar de negociações", ressaltou.

Afirmou que, na opinião de Moscou, a solução dos conflitos da Geórgia com suas regiões separatistas da Ossétia do Sul e da Abkházia "não deve ser encontrada no campo de batalha", mas através das negociações.

O general Anatoli Nagovitsin, chefe adjunto do Estado-Maior das Forças Armadas russas, disse que "a Rússia não recebeu" da Geórgia nenhuma oferta de estabelecer um cessar-fogo e iniciar negociações.

O general confirmou que a Aviação russa realiza bombardeios em território georgiano fora da zona de conflito da Ossétia do Sul, mas afirmou que ataca exclusivamente instalações e infra-estruturas militares do segundo degrau de tropas, e não localidades civis. EFE si/an

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG