Rússia e EUA firmam acordos sobre armas e espaço aéreo

Por Matt Spetalnick e Oleg Shchedrov MOSCOU (Reuters) - No início de uma visita à Rússia para reparar relações estremecidas, o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, e o líder russo, Dmitry Medvedev, concordaram em estabelecer uma meta para redução de armas nucleares e firmaram um acordo que permitirá a aviões militares norte-americanos sobrevoarem o território da Rússia.

Reuters |

Em uma cordial entrevista à imprensa num amplo e dourado salão no Kremlin, os dois líderes falaram de sua decisão de deixar as divergências para trás e se concentrarem na cooperação para resolver problemas mundiais como a proliferação de armas nucleares.

Ambos mencionaram os temas que ainda os dividem: a oposição da Rússia aos planos dos EUA de construir um escudo de defesa antimísseis na Europa Central e a insistência norte-americana na integridade territorial da Geórgia. Mas os dois destacaram em público os pontos positivos.

Obama elogiou Medvedev como líder "profissional, franco", que compreende os interesses do povo russo e quer entender os dos EUA, acrescentando: "Decidimos zerar as relações Rússia-EUA para que possamos cooperar mais efetivamente".

Na cerimônia de assinatura, Obama e Medvedev, vestindo ternos escuros idênticos, camisa branca e gravatas vermelhas, prometeram concluir um tratado até o fim do ano para cortar o número de ogivas nucleares de cada lado, das atuais 2.200 para 1500 a 1.675.

Detalhes sobre o acordo não estavam ainda definidos na noite anterior à chegada de Obama. Os negociadores dos dois lados trabalharam todo o fim de semana para chegar a um entendimento.

Medvedev descreveu as conversações como "muito úteis e abertas, conversas de negócios" e disse que eles terão como meta construir um relacionamento EUA-Rússia digno do século 21.

A Rússia permitirá que 4.500 voos por ano carregando tropas norte-americanas e armas para a guerra no Afeganistão cruzem seu vasto território, sem custo, uma iniciativa que os EUA disseram ser uma mostra do interesse de Moscou de ajudar no combate ao Taliban.

Os outros acordos incluem a retomada da cooperação militar entre os dois países, a criação de uma comissão governamental conjunta e a troca de informações sobre prisioneiros de guerra, segundo textos divulgados pelas autoridades.

Na terça-feira Obama ouvirá a oposição democrática do país, se encontrará com o ex-líder soviético Mikhail Gorbachev e fará um discurso para estudantes russos, no qual provavelmente abordará sua visão de liberdade.

(Reportagem adicional de Jeff Mason, Guy Faulconbridge, Dmitry Sergeyev e Amie Ferris-Rotman)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG