Rússia e Estados Unidos assinarão documento estratégico

MOSCOU (Reuters) - Os líderes da Rússia e dos Estados Unidos assinarão em uma reunião no fim de semana um documento que define as estruturas das relações estratégicas entre os dois países, disse uma fonte do Kremlin à Reuters na terça-feira. O presidente russo, Vladmir Putin, que transferirá o poder ao sucessor no dia 7 de maio, e o presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, também prestes a encerrar o mandato, se encontrarão no domingo na residência de Putin no Mar Negro.

Reuters |

'Especialistas estão trabalhando num documento conjunto, que vai ser a bússola da nossa cooperação durante um período de transição e a médio prazo', disse a fonte do Kremlin, sem dar mais detalhes.

Washington e Moscou travam disputas quanto a questões como os planos norte-americanos de colocar componentes de seu escudo antimísseis na Europa e as tentativas da Otan de se aproximar da Ucrânia e da Geórgia, ex-membros da União Soviética.

A Rússia se opõe a ambos os planos, dizendo que eles são uma ameaça à sua segurança e poderiam prejudicar o delicado equilíbrio das forças na Europa.

Autoridades russas e norte-americanas dizem que o documento foi feito para permitir que os dois líderes deixem como legado a seus sucessores uma relação bilateral estável.

Espera-se que inclua áreas sobre as quais Washington e Moscou já entraram em acordo, além de abrir caminho para o acerto de questões complicadas como a dos mísseis.

Agências de notícias russas citaram autoridades não-identificadas do Kremlin, que teriam dito que o documento a ser assinado em Sochi 'mencionaria a defesa com mísseis', mas não deram mais detalhes.

Durante visita feita no mês passado à secretária de Estado norte-americana, Condoleezza Rice, e ao secretário de Defesa, Robert Gates, Putin disse que considerava 'sérias' as propostas de acordo que Washington fez a respeito do escudo.

As boas relações entre Bush e Putin, que se consideram amigos, ajudaram a acalmar algumas divergências sérias ocorridas nos oito anos em que os dois estiveram na presidência.

Referindo-se ao esboço do documento, o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, disse a repórteres na segunda-feira: 'É claro que temos de registrar todos os avanços durante os dois mandatos de Bush e Putin'.

'Começamos a esquecer os aspectos positivos que acumulamos nas relações bilaterais e é importante colocá-los no papel, sem esquecer dos problemas que existem', disse Peskov.

(Reportagem de Oleg Shchedrov)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG