Rússia diz que terá que reagir a acordo EUA-Polônia

A Rússia disse que será obrigada a reagir, e não apenas com medidas diplomáticas ao acordo de defesa assinado nesta quarta-feira entre os Estados Unidos e a Polônia. A declaração, por meio de um comunicado do Ministério de Relações Exteriores russo, foi feita horas depois do anúncio da assinatura do acordo que prevê a instalação de parte de um escudo de defesa antimísseis americano em território polonês.

BBC Brasil |

O acordo foi assinado em Varsóvia pela secretária de Estado americana, Condoleezza Rice, e pelo ministro de Relações Exteriores da Polônia, Radek Sikorski, encerrando 18 meses de negociações. Agora, deve ser ratificado pelo Parlamento polonês.

Segundo o governo russo, o acordo gera uma nova corrida armamentista na Europa.

A Rússia já havia afirmado que, ao aceitar a instalação do sistema antimísseis em seu território, a Polônia se expõe ao risco de um ataque nuclear. Rice disse que essa afirmação era "bizarra".

"Defensivo"
O acordo inclui as exigências feitas pela Polônia com relação a sua segurança como compensação por abrigar o escudo americano. Pelo plano, a Polônia aceita a instalação de dez mísseis interceptadores em uma antiga base militar perto da costa polonesa do Mar Báltico.

Em troca, os americanos se comprometem a ajudar o país a melhorar suas forças armadas, além de remanejar para a Polônia mísseis tipo Patriot e militares americanos, com o objetivo de reforçar as defesas aéreas polonesas.

Segundo o governo americano, o sistema vai proteger os Estados Unidos e grande parte da Europa contra ataques de mísseis de países considerados "hostis", como o Irã.

Durante a cerimônia de assinatura, Rice voltou a afirmar que o sistema é defensivo.

O primeiro-ministro polonês, Donald Tusk, disse que as negociações foram "duras, mas amistosas" e que o acordo vai tornar tanto a Polônia e quanto os Estados Unidos mais seguros.

Equilíbrio
O Ministério de Relações Exteriores russo disse que o escudo de defesa antimísseis americano no Leste Europeu tem o objetivo de "enfraquecer" Moscou e é parte dos "esforços americanos para alterar o equilíbrio estratégico de poder em seu favor".

No mês passado, os Estados Unidos assinaram um acordo com a República Checa para instalar uma base de radares naquele país.

Washington quer que o sistema esteja em operação até 2012.

Em seu comunicado, o ministério russo disse que a justificativa de uma ameaça de mísseis do Irã é "imaginária".

No entanto, o ministério afirmou que a Rússia ainda está disposta a continuar a dialogar sobre o sistema de defesa antimísseis americano com todas as partes envolvidas.

Conflito com a Geórgia
Enquanto os Estados Unidos afirmam que o escudo irá proteger os países-membros da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) de possíveis ataques de longo alcance, Varsóvia vê a ameaça como sendo mais próxima de seu território e por isso exigiu um reforço na defesa do país em troca de abrigar o escudo.

Os russos já haviam ameaçado apontar seus mísseis para a Europa caso os Estados Unidos instalassem partes de seu sistema de defesa antimísseis perto da fronteira com a Rússia.

Segundo a correspondente da BBC Kim Ghattas, que acompanhou a viagem de Rice à Polônia, o momento da assinatura do acordo - durante o conflito com a Geórgia - deixou os russos ainda mais furiosos.

Outro correspondente da BBC em Varsóvia, Adam Easton, afirma que tanto o momento escolhido para a assinatura do acordo quanto as exigências sobre a segurança e defesa do país feitas pela Polônia não contribuíram em nada para apaziguar Moscou.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG