Rússia diz que só posicionará foguetes se EUA instalarem escudo antimísseis

Moscou, 11 nov (EFE).- O ministro russo de Relações Exteriores, Serguei Lavrov, afirmou hoje que Moscou só posicionará foguetes táticos Iskander no enclave báltico de Kaliningrado, se os Estados Unidos instalarem elementos de seu escudo antimísseis no leste europeu.

EFE |

"Só caso o escudo americano seja fisicamente posicionado" na Polônia e na República Tcheca colocaremos os Iskander, ressaltou Lavrov em entrevista coletiva, citado pelas agências russas.

Lavrov insistiu em que o desdobramento dos Iskander é uma resposta aos planos americanos e que Moscou renunciará a eles se Washington fizer o mesmo com os foguetes interceptores e radares em solo polonês e tcheco, respectivamente.

"Exigimos que levem em consideração as ameaças autênticas, não as inventadas, e que tomem decisões coletivas e não unilaterais", disse.

A Rússia tem esperanças de que o presidente eleito dos EUA Barack Obama recue nos planos americanos de instalar elementos estratégicos de seu escudo antimísseis, quando assumir o poder em janeiro.

Há uma semana, em sua primeira mensagem sobre o estado da nação, o presidente russo, Dmitri Medvedev, anunciou os planos russos de posicionar foguetes Iskander em Kaliningrado, enclave que faz fronteira com a Polônia e Lituânia, países-membros da Otan.

"São medidas forçosas (...) Infelizmente não nos querem escutar", disse Medvedev.

Os Iskander (SS-26 Stone, segundo a classificação da Otan) têm alcances entre 50 e 300 quilômetros e podem levar distintas cargas de até 480 quilos.

Fontes européias informaram hoje à agência "Interfax" que estes planos russos serão abordados durante a cúpula UE-Rússia de sexta-feira, em Nice, na França.

O presidente francês, Nicolas Sarkozy, expressou sua inquietação perante a possibilidade que Kaliningrado acolha antes de 2015 mísseis táticos.

Por sua vez, a Lituânia advertiu que, caso que esses planos se concretizem, reagirá para garantir a segurança nacional.

O Ministério da Defesa lituano anunciou hoje sua intenção de substituir os dois radares atuais de longo alcance de fabricação soviética por outros ocidentais, para o que convocará um concurso internacional em 2009.

Em todo caso, analistas independentes apontam que os Iskander nunca alcançariam os radares que os EUA devem colocar na República Tcheca e que, no caso dos interceptores poloneses, se estes fossem instalados em abrigos subterrâneos, também não seriam afetados. EFE io/jp

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG