é melhor Obama desistir de escudo antimísseis - Mundo - iG" /

Rússia diz que é melhor Obama desistir de escudo antimísseis

Bruxelas, 12 nov (EFE).- O embaixador russo na União Européia (UE), Vladimir Chizhov, disse hoje que é melhor para o próximo presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, saber que, se instalar um escudo antimísseis na Polônia e República Tcheca, a resposta de Moscou será posicionar mísseis no enclave báltico de Kaliningrado.

EFE |

"Embora não queira prejulgar nenhuma decisão, acho que é melhor para ele saber o que pode esperar da Rússia se decidir levar adiante" o projeto de George W. Bush, disse Chizhov em entrevista coletiva prévia à cúpula com a UE.

Nessa reunião, que será realizada sexta-feira em Nice, se debaterá a proposta do presidente russo, Dmitri Medvedev, para construir uma nova arquitetura de segurança na Europa que não esteja baseada exclusivamente na Organização Tratado do Atlântico Norte (Otan).

"Há um interesse crescente por esta idéia em muitas capitais européias, e também nas instituições da UE", afirmou Chizhov, para quem o apoio ao projeto de escudo antimísseis "é virtualmente nulo" exceto na Polônia e República Tcheca.

Segundo ele, "ninguém deveria se surpreender" com o anúncio do presidente Dmitri Medvedev de que poderia encher Kaliningrado, enclave na fronteira com a Polônia e Lituânia, de foguetes Iskander.

No entanto, diplomatas da Comissão Européia (CE) consideram que "a maneira e o momento em que se fez o anúncio" (o dia em que se conheceu a vitória de Obama), foi "uma surpresa" que "não ajuda a elevar a confiança para uma nova arquitetura de segurança européia".

A proposta russa para um novo espaço de segurança não exclui a Otan, afirmou Chizhov, mas renega seu papel exclusivo.

Entre os fatores que podem favorecer este cenário, opinou que "a próxima Administração americana vai revisar suas prioridades nacionais de segurança e de defesa", em um sentido "talvez mais construtivo".

"O que disse Medvedev é que, caso os EUA coloquem o escudo, então a Rússia, como resposta, deverá posicionar esses mísseis. E já tínhamos advertido à comunidade internacional de que teríamos que reagir se isto acontecesse", acrescentou Chizhov.

Segundo o diplomata, "o fato de esta reação ser feita pública com bastante adiantamento é uma amostra da transparência da política russa neste assunto". EFE met/jp

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG