Rússia diz que Irã foi surdo a suas propostas

Diplomacia russa rebate críticas de Ahmadinejad e diz que tentativas de resolver crise caíram em "ouvidos surdos" de Teerã

iG São Paulo |

A Rússia rejeitou nesta quinta-feira as críticas do Irã ao Kremlin pelo apoio ao esboço de sanções contra a República Islâmica. O governo russo afirmou que suas tentativas de resolver a crise em torno do programa nuclear iraniano caíram repetidamente em "ouvidos surdos" de Teerã.

Em uma das piores disputas entre os dois países em décadas, o presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, criticou o Kremlin na quarta-feira por, segundo ele, ceder às pressões dos Estados Unidos e concordar com sanções.

Ahmadinejad também fez um alerta ao presidente russo, Dmitri Medvedev, para que seja cauteloso ou corre o risco de ser visto como um inimigo da República Islâmica . O Kremlin respondeu dizendo ao presidente iraniano que pare com a "demagogia política".

Quando indagado por um repórter sobre os comentários de Ahmadinejad, o ministro russo do Exterior, Sergei Lavrov, disse ter visto os comentários como "emocionais".

Num reforço à crescente impaciência de Moscou com o Irã, Lavrov disse que líderes russos tentaram por várias vezes resolver a disputa, mas Teerã não respondeu adequadamente. "Para nosso grande pesar, durante anos --não somente meses-- a resposta iraniana a esses esforços foi insatisfatória", disse Lavrov em Moscou.

O ministro disse que um acordo para troca de combustível nuclear entre Irã, Brasil e Turquia será um avanço importante se implementado. "Elogiamos essa medida", disse ele. "De fato, se for completamente implementado, isso vai... realmente criar pré-condições importantes para a melhora da atmosfera na retomada das negociações", afirmou.

Acordo com Brasil e Turquia

Brasil e a Turquia mediaram um acordo na última semana em que o Irã concordou em enviar parte de seu urânio de baixo enriquecimento ao exterior em troca de combustível para um reator de pesquisa médica. A primeira leva está programada para chegar na Turquia dentro de um mês.

O acordo prevê a troca de 1,2 tonelada de urânio com baixo grau de enriquecimento (3,5%) do Irã por urânio com grau maior de enriquecimento (20%) vindo do exterior para ser usado como combustível em um reator nuclear em Teerã, construído anos atrás pelos Estados Unidos para pesquisas médicas.

O acordo foi inicialmente sugerido como forma de permitir à comunidade internacional o acompanhamento do material nuclear que o Ocidente suspeita ser para a construção de armas nucleares no Irã.

Apesar do acordo, Washington circulou um esboço da resolução de sanções, acordado por todos os cinco membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU depois de meses de negociações.

As novas sanções teriam como alvo os bancos iranianos e um pedido para inspecionar navios suspeitos de transportar carga relacionada aos programas nucleares e de mísseis do Irã.

O Irã diz que seu programa de desenvolvimento nuclear tem o objetivo de produzir energia para uso civil, mas autoridades americanas e europeias revelaram atividades que não parecem relacionadas à simples produção de eletricidade, afirmando que Teerã não cumpriu com obrigações do Tratado de Não-Proliferação Nuclear para permitir inspeções a todas suas instalações nucleares.

* Com Reuters, AFP e BBC Bras

    Leia tudo sobre: RússiaIrãacordo nuclearBrasilTurquia

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG