Rússia diz que investigações esclarecerão causas de acidente aéreo

Moscou, 12 abr (EFE).- O primeiro-ministro russo, Vladimir Putin, assegurou hoje que as investigações oficiais esclarecerão todas as causas do acidente aéreo no qual morreram o presidente polonês, Lech Kaczynski, e outras 95 pessoas no sábado.

EFE |

"A investigação será objetiva e serão esclarecidas por completo todas as causas da catástrofe aérea", afirmou Putin durante uma reunião do Governo, segundo as agências russas.

Logo no sábado o primeiro-ministro russo havia se dirigido à cidade de Smolensk (Rússia), local do acidente do Tupolev-154 no qual viajava Kaczynski, vários funcionários de alto escalão da Polônia e a cúpula militar do país. Putin ressaltou que a Rússia "faz todo o possível" para esclarecer o acidente.

"Compartilhamos o sofrimento dos poloneses", afirmou, ao destacar as centenas de pessoas que se aproximaram "espontaneamente" à embaixada polonesa em Moscou para depositar flores e velas em homenagem às vítimas do acidente.

O vice-primeiro-ministro russo, Serguei Ivanov, assegurou hoje que as duas caixas-pretas do avião apresentam um "estado satisfatório". Uma caixa-preta grava as conversas entre os pilotos e os operadores da torre de controle e a outra conserva os dados do voo.

"Isso permitirá realizar uma detalhada análise das informações de voo e o funcionamento dos equipamentos no momento da catástrofe", garantiu Ivanov.

Ele acrescentou que se pode antecipar que "as advertências sobre as condições meteorológicas adversas no aeroporto de Smolensk e as recomendações de se deslocar a um aeroporto alternativo não só foram transmitidas, mas também recebidas pela tripulação".

Além disso, o vice-primeiro-ministro russo ressaltou que a análise dos dados contidos nas duas caixas-pretas, que foram abertas no domingo na presença de autoridades polonesas, será efetuada conjuntamente por analistas dos dois países.

As autoridades russas descartaram no domingo que o acidente aéreo tenha sido provocado por uma falha técnica no avião e responsabilizaram os pilotos pelo ocorrido, após um estudo preliminar das gravações entre os comandantes do voo e a torre de controle.

Os operadores do aeroporto sugeriram aos pilotos que desviassem a aeronave à Bielorrússia, mas "a tripulação decidiu prosseguir o voo", argumentou no sábado o enviado do Kremlin ao local do acidente, Gennady Poltavchenko.

Por sua vez, o ministro russo de Transporte, Igor Levitin, assegurou que "o piloto do avião decidiu por conta própria" efetuar a aterrissagem, apesar da visibilidade na área por causa de um denso nevoeiro era de apenas 400 metros em vez de 1 mil metros que estipulam as normas.

De acordo com a Procuradoria russa, o piloto do avião fazia a quarta tentativa de pouso quando ocorreu o acidente. Com pouca visibilidade, o avião bateu em árvores, matando todos os 96 passageiros.

As imprensas polonesa e russa não descartam que os pilotos cumprissem uma ordem direta de Kaczynski, aguardado por milhares de pessoas na floresta de Katyn para prestar homenagens aos milhares de poloneses executados pelo então ditador soviético Josef Stalin há 70 anos. EFE io/sa

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG