Rússia diz que entrada da Ucrânia na Otan terá conseqüências à Europa

Moscou, 20 set (EFE) - O ministro de Assuntos Exteriores da Rússia, Serguei Lavrov, pediu hoje aos países ocidentais para fazerem uma escolha estratégica em relação à Ucrânia, em artigo publicado pelo semanário ucraniano 2000 e divulgado pela Chancelaria russa.

EFE |

Ele também advertiu de que a entrada dessa nação na Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) poderia ter conseqüências negativas para a segurança de toda a Europa.

Lavrov destacou que "a entrada da Ucrânia na Otan trará consigo uma profunda crise nas relações entre Rússia e Ucrânia" e afirmou que "essa crise influirá da forma mais negativa na segurança da Europa".

"Portanto, essa é a escolha, e essa decisão deve ser tomada pelo Ocidente", ressaltou.

Segundo o ministro, "impor à Ucrânia o papel de divisa entre Europa e Rússia significa diminuir a importância da Ucrânia" como país.

"Seria muito mais construtivo que todos juntos estabelecêssemos relações com o mundo que nos rodeia", afirmou.

O chanceler acrescentou que o ministro de Exteriores ucraniano, Vladimir Ogrizko, é "a favor de um sistema de segurança européia centrado na Otan, quando exatamente este centralismo, que provocou a divisão da comunidade euro-atlântica, pôs em evidência sua absoluta limitação e falta de perspectiva".

Ao mesmo tempo, Lavrov expressou a esperança em que a "Ucrânia seja capaz de alcançar seus objetivos de política externa voltados ao Ocidente sem realizar ações manifestamente anti-russas e sem prejudicar a história comum" de ambos os países.

"A relação com o povo ucraniano continuará sempre sendo de amizade, e a política em direção à Ucrânia, respeitosa", afirmou Lavrov, apesar de ter ressaltado que tudo dependerá da "postura real de Kiev e das medidas empreendidas pelas autoridades ucranianas".EFE egw/db

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG