Rússia desmente que navio desaparecido tenha sido avistado

MOSCOU - As informações de que um navio mercante desaparecido havia sido localizado na costa das ilhas de Cabo Verde, no Oceano Atlântico, são infundadas, informou nesta sexta-feira a agência russa de notícias RIA, citando como fonte um enviado russo ao país africano.

Reuters |

AP
Foto de arquivo do Arctic Sea
Foto de arquivo do Arctic Sea
O desaparecimento do navio Artic Sea, com seus 15 tripulantes russos, desconcertou as autoridades na Europa e norte da África. A Rússia enviou embarcações à região para localizá-lo.

A agência de notícias portuguesa Lusa informou que o cargueiro de 4 mil toneladas estava a 400 milhas náuticas do arquipélago de Cabo Verde, situado no oeste da África, enquanto a França dizia ter informações de algo avistado que poderia ser o Artic Sea.

"Havia a informação de que um navio cargueiro semelhante ao que está sendo procurado tinha sido avistado 400 milhas náuticas ao norte da ilha de Santo Antão", afirmou o embaixador russo em Cabo Verde, Alexander Karpushin, segundo a RIA.

"No entanto, ficou comprovado que essa informação não era verdadeira", disse ele, citando uma reunião com o chefe das Forças Armadas de Cabo Verde.

Antes disso, a Lusa reportara declarações do diretor-geral de Defesa de Cabo Verde, Pedro Reis, de que o navio estava em águas internacionais ao norte de São Vicente, uma ilha cabo-verdiana, perto de Santo Antão.

Um porta-voz naval francês disse que a informação sobre a localização de um navio com descrição semelhante à do Artic Sea ao norte de Cabo Verde fora passada pela Rússia e por Malta.

As indicações de que a embarcação estava a norte de Cabo Verde teriam corroborado relatos de que ele se dirigia para o Atlântico.

No entanto, o major António Monteiro, comandante do esquadrão naval da Guarda-Costeira de Cabo Verde, disse que ele não poderia confirmar a informação sobre a passagem do cargueiro pela costa norte do país.

O navio tem registro em Malta, transporta uma carga de madeira no valor de US$ 1,3 milhão e deveria ter atracado no dia 4 de agosto no porto argelino de Bejaia. Nunca chegou, e acredita-se que tenha feito contato pela última vez de uma posição na altura da costa francesa.

A preocupação com a tripulação russa surgiu depois que a Autoridade Marítima de Malta disse ter recebido informações de que o navio havia sido abordado por homens mascarados que disseram ser da polícia antidrogas, em águas suecas, em 24 de julho.

Nesta sexta-feira, no entanto, a Comissão Européia expressou dúvidas sobre a possibilidade de o cargueiro ter sido tomado por piratas.

Leia mais sobre navio desaparecido

    Leia tudo sobre: desaparecidonaviorússia

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG