Rússia defende mínimo de 1.500 ogivas em negociações com EUA

Moscou, 10 jun (EFE).- A Rússia considera que o novo tratado de redução de armas estratégicas com os Estados Unidos deve limitar os arsenais de cada parte a pelo menos 1.

EFE |

500 ogivas nucleares, declarou hoje o comando das Forças Estratégicas de Mísseis russas.

"Nossa postura consiste em que não devemos reduzir a menos de 1.500 ogivas, embora a decisão vá ser tomada pela direção política do país", afirmou o general Nikolai Solovtsov, comandante das Forças Estratégicas de Mísseis, segundo a agência oficial de notícias "Itar-Tass".

O general comentou assim o andamento das conversas com os EUA para elaborar um novo acordo de desarmamento estratégico nuclear em substituição do Tratado de Redução de Armas Estratégicas (Start), que expira em 5 de dezembro deste ano.

As primeiras duas rodadas de conversas aconteceram a portas fechadas em maio em Moscou e, na semana passada, em Genebra entre a subsecretária de Estado americana, Rose Gottemoeller, e o vice-chanceler russo, Anatoli Antónov, diretor do departamento de Segurança e Desarmamento da Chancelaria.

Está previsto que os primeiros resultados concretos sejam revelados durante o encontro que os presidentes Barack Obama e Dmitri Medvedev terão em Moscou entre 6 e 8 de julho.

O futuro acordo buscará níveis de redução de armas menores que no atual Tratado de Moscou sobre Reduções de Armamento Estratégico Ofensivo, de 2002, que estipula que para 2012 ambas as potências tenham um máximo de 2.200 cargas nucleares. EFE se/rr

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG