seguir ancorada na Guerra Fria - Mundo - iG" /

Rússia acusa Otan de seguir ancorada na Guerra Fria

Bruxelas, 19 ago (EFE).- O embaixador russo na Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), Dmitri Rogózin, acusou hoje a aliança de seguir ancorada na Guerra Fria, e anunciou que Moscou tem a intenção de revisar sua cooperação com esta organização.

EFE |

Rogózin respondeu assim, em entrevista coletiva, à mensagem lançada hoje pelos ministros de Exteriores da Otan, que declararam que sua relação com a Rússia "não pode continuar a mesma após o conflito na Geórgia".

"Está claro que nossa cooperação não vai continuar igual. Mudará o volume, a qualidade e a freqüência das consultas", afirmou o embaixador russo, que disse, no entanto, que a relação não será paralisada.

Segundo o embaixador, apesar da dura mensagem lançada hoje pela Otan contra a atuação de Moscou na Geórgia, "ninguém quer nem pode romper laços com a Rússia".

Rogózin também criticou a postura do secretário-geral da aliança, Jaap de Hoop Scheffer, que, segundo ele, se limitou a expor seu ponto de vista pessoal e o dos Estados Unidos, e não o de todos os membros do grupo.

Segundo o embaixador russo, o comunicado final da reunião extraordinária da Otan sobre as relações com a Rússia reflete "só o compromisso que os países puderam alcançar", dando a entender que os membros estão divididos neste ponto.

A Otan voltou a exigir hoje à Rússia a retirada de suas tropas na Geórgia às posições que tinham antes da eclosão das hostilidades, e reafirmou seu apoio à Geórgia, algo que, segundo Rogózin, volta a evidenciar que "a Otan nasceu na Guerra Fria e não soube se adaptar a uma nova situação".

Neste sentido, denunciou que a organização permitiu uma guerra contra o povo osseta porque a Geórgia é "seu aliado" e se negou a ter "contato direto" com a Rússia.

"A Otan fugiu do diálogo político e não quis escutar", disse o representante russo, que responsabilizou os EUA por esta recusa.

Em sua opinião, a não realização da reunião extraordinária do Conselho Otan-Rússia solicitada por Moscou demonstra que Washington "estava envolvido na preparação da ação da Geórgia" na Ossétia do Sul, e "não quis responder com um diálogo franco". EFE mvs/ab/gs

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG