Ruralistas argentinos mantêm protesto contra governo

Os produtores rurais da Argentina anunciaram, nesta quinta-feira, que vão manter, pelo menos até a próxima quarta-feira, o protesto contra o governo. Até lá, continuarão suspensas todas as exportações de grãos - iniciativa que eles adotaram há uma semana, na quinta-feira, dia 8.

BBC Brasil |

Os ruralistas querem a anulação do último aumento de impostos às exportações - principalmente de soja - anunciado pelo governo em março passado.

"Nós queremos medidas concretas, como o cancelamento deste ajuste que só prejudica o setor agrário", disse Eduardo Buzzi, da Federação Agrária Argentina, durante entrevista nesta quinta-feira ao lado de outros líderes agropecuários.

Inicialmente, quando foi anunciado na semana passada, o protesto terminaria nesta quinta-feira. Esse é mais um capítulo de uma disputa que começou há dois meses e levou pequenos, médios e grandes produtores a uma paralisação que durou 21 dias.

Na ocasião, o bloqueio de estradas em diferentes pontos do país provocou desabastecimento nos supermercados e panelaços nas grandes cidades em apoio aos ruralistas.

Na semana passada, após uma trégua de trinta dias, eles decidiram protestar novamente, mas sem bloquear o tráfego.

Panelaços e tratoraços
A nova modalidade de manifestação inclui ainda tratoraços nas regiões de produção agropecuária.

No último domingo, eleitores dos bairros de classe alta de Buenos Aires, como Recoleta, e média, como Palermo, realizaram novo panelaço em apoio aos ruralistas.

Na quarta-feira, a presidente Cristina Kirchner fez um discurso, que foi classificado pela imprensa argentina, de conter um "tom conciliador", ao sugerir um diálogo, mesmo sem ela ter citado, diretamente, o protesto dos ruralistas.

Nesta quinta-feira, além de anunciar a continuidade do protesto, os líderes ruralistas pediram "encontro urgente" com a presidente.

Os ruralistas pedem uma "nova política agropecuária" que assim como o fim do novo imposto às exportações inclua também a retomada, sem restrições, das vendas externas de grãos - inclusive o trigo, o que interessa ao mercado brasileiro - e de carne da Argentina.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG