Rumores circulam sobre morte do número dois da Al-Qaeda

O Exército paquistanês declarou neste sábado não dispor de nenhuma informação concreta sobre a suposta morte do egípcio Ayman al-Zawahiri, o número dois da rede terrorista Al-Qaeda, na semana passada em um bombardeio numa zona tribal paquistanesa.

AFP |

"Não temos nenhuma informação confiável" sobre a eventual morte de Zawahiri, disse à AFP o general Athar Abbas, porta-voz do Exército paquistanês.

Já os talebans paquistaneses desmentiram que Zawahiri tenha sido morto ou ferido durante um ataque.

"Essas alegações são absurdas e não têm fundamento", afirmou à AFP Maulvi Omar, porta-voz do Tehreek-e-Talibã Paquistão (movimento taleban paquistanês).

Uma fonte dos serviços secretos paquistaneses admitiu a existência de rumores sobre a morte do número dois da Al-Qaeda que começaram a circular há alguns dias. "Verificamos, mas ainda não obtivemos confirmação", declarou.

A rede de televisão americana CBS afirmou estar em poder de uma carta escrita por um alto dirigente taleban solicitando em emergência o envio de um médico para curar Ayman al-Zawahiri, que teria sido ferido no dia 28 de julho em um bombardeio no distrito tribal de Waziristão-Sul.

De acordo com a CBS, a carta, datada de 29 de julho, tem o carimbo e a assinatura de Baitullah Mehsud, um importante chefe de guerra taleban paquistanês.

Segundo a CBS, o nome de Zawahiri, que "está sofrendo muito e cujos ferimentos estão infectados", aparece explicitamente na missiva.

Maulvi Omar negou categoricamente a existência da carta.

"Baitullah nunca escreveu carta a ninguém. Nunca pedimos qualquer ajuda ou assistência", afirmou o porta-voz paquistanês.

Um alto representante militar baseado no noroeste do Paquistão declarou que as autoridades estão investigando o caso e tentando recuperar a carta.

De acordo com dirigentes dos serviços de segurança paquistaneses, o especialista em armas químicas da Al-Qaeda, Midhat Mursi al-Sayid Umar, teria sido morto em 28 de julho no mesmo bombardeio, provavelmente de origem americana.

O Exército paquistanês se mostrou prudente, declarando esperar mais amplas informações antes de confirmar a morte de Umar, cujo falecimento já havia sido anunciado em janeiro de 2006.

O grupo de monitoramento dos sites islâmicos IntelCenter disse sexta-feira que "vem acompanhando há alguns dias informações segundo as quais Ayman al-Zawahiri estaria morto ou gravemente ferido".

Em caso de falecimento do tenente de Osama bin Laden, a Al-Qaeda "divulgaria rapidamente um vídeo ou um comunicado escrito", segundo o IntelCenter.

O cirurgião egípcio Ayman al-Zawahiri, para quem os Estados Unidos ofereceram uma recompensa de 25 milhões de dólares, aparece de vez em quando em vídeos ou gravações de áudio colocados na internet e divulgados pelos canais de TV Al-Jazira e Al-Arabiya.

Em sua última intervenção, no dia 5 de junho, ele conclamou os palestinos da Faixa de Gaza a multiplicarem seus ataques contra Israel.

Afegãos e ocidentais afirmam há muito tempo que os talebans e os membros da rede Al-Qaeda conseguiram se reunir nas zonas tribais do Paquistão, depois de terem sido expulsos do Afeganistão no fim de 2001 por uma coalizão liderada pelos Estados Unidos.

Leia mais sobre: Al-Qaeda

    Leia tudo sobre: al-qaeda

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG