Ruínas de residência imperial com mais de 2.000 anos é descoberta na China

Pequim, 7 dez (EFE).- Um grupo de arqueólogos chineses descobriu as ruínas de uma antiga residência imperial para curtas temporadas, denominada Xinggong, provavelmente da dinastia Qin, de mais de 2.

EFE |

000 anos, na província de Shaanxi (norte).

A ruínas datam do período histórico conhecido como Reinos Combatentes, entre 475 e 221 anos antes de Cristo, e suas dimensões são de 400 por 300 metros, informou hoje a agência oficial de notícias, "Xinhua".

O primeiro indício foi localizado por um camponês local, que achou uma grande vasilha na região na qual posteriormente se descobririam as ruínas.

Os arqueólogos disseram que esta grande vasilha servia como coletor e distribuidor de água no sistema de encanamentos da residência imperial.

Não é a primeira vez que um camponês tropeça por acaso com um grande achado na província de Shaanxi, pois em 1974 um agricultor que cavava um poço encontrou a cabeça de um dos milhares de soldados que seriam desenterrados depois e que formam o conhecido Exército de terracota de Xian, também pertencente à dinastia Qin. EFE jt/ma

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG