Ruandesa Rose Kabuye é acusada na França como cúmplice em homicídios

Rose Kabuye, chefe do protocolo do presidente ruandês Paul Kagame extraditada pela Alemanha para a França nesta quarta-feira, foi acusada de cumplicidade em assassinatos de caráter terrorista, informou uma fonte judicial francesa.

AFP |

A Procuradoria pediu que Kabuye seja posta em liberdade sob controle judicial.

O juiz poderá enviar esse pedido a um juiz de liberdades e detenção, para que determine uma eventual soltura.

A reclusão de Kabuye pode ser mal recebida em Ruanda, onde milhares de pessoas foram às ruas em Kigali, nesta quarta, contra sua detenção na Alemanha e posterior extradição para a França, comentou uma fonte ligada ao caso.

Kabuye é investigada na França, junto com outros oito líderes próximos a Kagame, pelo atentado contra o avião do ex-presidente ruandês Juvenal Habyarimana, em abril de 1994, que deflagrou o genocídio que, segundo a ONU, deixou 800.000 mortos, sobretudo, da minoria tutsi.

mat/tt/LR

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG