Ruanda acusa a França de participação no genocídio de 1994

Ruanda acusou nesta terça-feira a França de ter participado na execução do genocídio de 1994 e pediu que 13 políticos e 20 militares franceses sejam levados a julgamento, em um comunicado do ministério da Justiça, que resume as conclusões de uma comissão de investigação.

AFP |

O ministro da Justiça ruandês, Tharcisse Karugarama, apresentou à imprensa nesta terça-feira as conclusões do relatório de 500 páginas da comissão de investigação ruandesa sobre o papel da França no genocídio, o qual afirma que Paris estava "a par dos preparativos e participou nas principais iniciativas e em sua execução".

"Vários militares franceses cometeram eles mesmos assassinatos de tutsis e de hutus acusados de esconder tutsis. Os militares franceses também cometeram inúmeras violações com sobrevientes tutsis", afirma o documento.

"Ante a gravidade dos fatos alegados, o governo ruandês ordenou às instâncias competentes a empreeder as ações necessárias para levar os responsáveis políticos e militares franceses incriminados a reponder por seus atos ante a justiça", prossegue o texto.

O genocídio ruandês deixou, segundo a ONU, cerca de 800.000 mortos, entre a minoria tutsi e os hutus moderados.

O atual governo ruandês, dirigido pela minoria tutsi, acusou em várias ocasiões a França de ter treinado e armado os autores do genocídio, o que Paris sempre desmentiu.

Kigali rompeu no final de 2006 as relações diplomáticas com Paris depois que o juiz francês Jean-Louis Bruguière reclamou que o presidente Paul Kagame fosse julgado por sua suposta participação no atentado contra o avião do ex-presidente ruandês Juvenal Habyarimana em 6 de abril de 1994, fato que foi detonador do genocídio.

str-fal/cn

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG