RSF denuncia ameaças contra jornais chineses

Pequim, 9 mar (EFE).- Os 13 jornais chineses que publicaram neste mês um editorial conjunto pedindo ao Governo a suspensão dos limites à migração interna receberam ameaças e outras pressões, denunciou hoje a organização Repórteres Sem Fronteiras (RSF).

EFE |

Alguns dos jornalistas que trabalham nas publicações foram ameaçados com sanções. Além disso, o artigo foi apagado do site dos jornais envolvidos e até nos das publicações oficiais que repercutiram a notícia, como "Diário do Povo", destacou a RSF.

O editorial, que pedia o fim do sistema de restrições "hukou" (criado em 1958 por Mao Tsé-tung), fui publicado dias antes da sessão anual do Legislativo chinês, uma data sensível para as autoridades chinesas, que nessa época tentam evitar toda e qualquer mostra de descontentamento ou divergência.

"Iniciar o debate sobre o 'hukou' às vésperas da sessão anual foi uma medida muito positiva, mas, como de costume, o Departamento de Propaganda do Partido Comunista reagiu com censura e repressão", condenou a RSF em seu comunicado.

"Este insulto ao bom senso é outro exemplo das tensões entre os conservadores do Departamento de Propaganda e os meios de comunicação pró-reforma", acrescentou a Repórteres Sem Fronteiras, uma das ferrenhas críticas às políticas de Pequim.

Na nota que emitiu hoje, a RSF pede ao primeiro-ministro Wen Jibao e ao presidente do Legislativo chinês, Wu Bangguo, que "ordenem a suspensão de toda censura na imprensa, uma doença na China que impede o desenvolvimento de um debate útil". EFE abc/sc

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG