Ronald Biggs é oficialmente libertado, mas permanecerá no hospital

Ronald Biggs, o mais famoso dos autores do audacioso assalto ao trem pagador Glasgow-Londres em 1963 e que se refugiou no Brasil durante 30 anos para escapar da polícia, deixou a prisão nesta sexta-feira por razões médicas, segundo decisão tomada na véspera pelo ministro da Justiça britânico, Jack Straw.

AFP |

Biggs, no entanto, permanecerá no hospital onde se encontra internado, pois seu estado de saúde é considerado muito delicado.

A libertação de Biggs coincide com seu aniversário de 80 anos neste sábado e também com o 46º aniversário do chamado "roubod do século" XX.

Uma porta-voz do ministério da Justiça informou que todos os documentos necessários para a libertação de Biggs haviam sido assinados e que os três guardas que custodiavam o paciente no hospital de Norwich (leste da Inglaterra) deixaram seu quarto.

"Meu pai agora é um homem livre e isso é tudo que é preciso dizer", declarou, comovido, seu filho Michael aos jornalistas que o esperavam do lado de fora do hospital.

"Tive um momento em particular com meu pai para dar os parabéns por aguentar tanto", acrescentou Michael, que nasceu no Brasil durante os anos em que seu pai viveu refugiado.

Biggs, está sendo alimentado através de uma sonda nasal, se mostrou encantado com a notícia de libertação, informou Michael.

"Demorou uns minutos para usar o quadro ortográfico (mediante o qual se comunica), mas ficou muito contente que o bom senso tenha triunfado", acrescentou.

"Praticamente não muda muita coisa porque meu pai permanecerá no hospital, mas espiritualmente para a família será algo muito bom que ele esteja livre", declarou Michael ao ficar sabendo a notícia da libertação.

O ministro Straw explicou que baseou sua decisão na evidência médica de que o estado de saúde de Biggs se deteriorou e que não não deve se recuperar.

"Os exames médicos mostram claramente que o senhor Biggs está muito doente e que seu estado se deteriorou recentemente, até culminar com sua reinternação no hospital", declarou o ministro em um comunicado, que não informa a data de libertação.

O famoso ladrão está internado com uma pneumonia grave. Ele já foi internado por causa de uma infecção pulmonar e uma fratura nos quadris.

Segundo os médicos, não há muitas esperanças de que se recupere.

"Ele vai permanecer no hospital. Está grave, criticamente doente, e esta é a razão pela qual o senhor Straw o libertou e o agradecemos por esta decisão", indicou seu advogado, Giovanni Di Stefano, informando que, se conseguir sair do hospital, Biggs será transferido para uma casa de repouso para idosos.

Biggs e seu bando de 15 homens conseguiram roubar o trem pagador na noite de 8 de agosto de 1963. Depois de ferir gravemente um empregado, os ladrões se apoderaram de 2,6 milhões de libras, um recorde para a época.

Biggs foi preso e condenado a 30 anos de prisão. Conseguiu fugir da prisão em 1965 e, depois de mudar a aparência graças a uma cirurgia plástica, viveu na Espanha, Austrália e por 30 anos no Brasil, onde teve o filho, Michael.

Decidiu se entregar às autoridades britânicas em 2001, depois de permanecer foragido durante 36 anos, porque estava falido e doente.

No início de julho, Straw havia negado o pedido de liberdade condicional para Biggs.

Na ocasião, Michael Biggs prometeu que continuaria lutando pela libertação condicional de seu pai.

"Se este é o sistema legal britânico, é pavoroso", afirmou, insistindo que o pai "já pagou sua dívida com a sociedade".

cyb/cn

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG