Romênia investiga tráfico de óvulos feito por médicos israelenses

As autoridades romenas abriram investigação sobre um esquema de tráfico de óvulos, organizado por vários ginecologistas israelenses que trabalham em uma clínica de Bucareste, cujo fechamento já havia sido solicitado pelo Colégio de Médicos de Bucareste em 2006.

AFP |

Cerca de 30 pessoas foram acusadas no caso, entre elas os dois administradores israelenses da clínica Sabyc - um pai e seu filho, que foram presos nesta segunda-feira - e alguns compatriotas, em geral médicos especializados em técnicas de procriação assistida, segundo o ministério público romeno.

Todos eles são acusados de ter "organizado um tráfico de células humanas com o objetivo de obter benefícios materiais".

As beneficiárias eram, em sua maioria, mulheres israelenses que pagavam entre 12.000 e 15.000 euros por uma fecundação in vitro (FIV) realizada com óvulos procedentes de jovens romenas em precária situação econômica, segundo a mídia local.

As "doadoras" recebiam entre 190 e 238 euros (de 267 a 335 dólares), pagamento que viola a lei segundo a qual a doação de órgãos ou células humanas não pode ser remunerada.

"Se aproveitar da péssima situação financeira das doadoras para ganhar dinheiro não só é imoral como também criminoso", denunciou o presidente do Colégio de Médicos de Bucareste, Vasile Astarastoaie.

"O mais grave neste caso é que os médicos pisotearam a dignidade humana e realizaram um tráfico de células ignorando voluntariamente os riscos para a saúde", disse à AFP Astarastoaie.

Em uma inspeção na clínica, realizada no último domingo, "os investigadores encontraram 30 pessoas prontas para fazer uma FIV", indicou o ministério público.

Além disso, descobriu-se que os funcionários falsificavam as fichas das doadoras, modificando suas características físicas, como a cor dos olhos e do cabelo ou o QI (quociente de inteligência), para atrair "compradoras" para os óvulos.

Segundo a imprensa romena, que entrevistou algumas doadoras, a maioria delas é de origem Rom, etnia dos ciganos.

mr/ap

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG