Por John Ruwitch e Jason Li BEICHUAN, China (Reuters) - Milhares de chineses escapavam para as montanhas no sábado, por temores de que um lago formado no epicentro do terremoto desta semana rompa suas barreiras. O nível da água no lago estava aumentando rapidamente em Beichuan e a água pode romper a barreira a qualquer momento, anunciou a agência oficial de notícias Xinhua. O lago foi formado depois que tremores secundários bloquearam um rio.

Uma autoridade paramilitar disse à Reuters que a probabilidade de o lago romper a barreira era 'extremamente alta'.

Uma testemunha disse pelo telefone que os militares estavam retirando toda a população de Beichuan, incluindo o pessoal de resgate.

Um jornalista da Reuters escapou de uma área próxima da Escola Secundária de Beichuan, visitada pelo presidente Hu Jintao na sexta-feira. Soldados fizeram um anúncio pelo rádio avisando para todos saírem da área, e havia muita poeira no ar.

Os soldados estavam saindo rapidamente.

A China espera que o número de vítimas fatais do terremoto, de 7,9 pontos de magnitude, exceda os 50 mil. Cerca de 4,8 milhões de pessoas perderam suas casas e os dias para o resgate de sobreviventes estão contados.

O porta-voz ministerial Guo Weimin, fazendo uma pausa para se recompor ao ler o relatório de vítimas em uma entrevista à imprensa, informou que o número de mortos no momento está em 28.881.

O vice-governador de Sichuan, Li Chengyun, disse que mais de 188 mil pessoas ficaram feridas e cerca de 10.600 pessoas continuam presas sob os destroços. Cerca de 2,6 milhões de barracas são necessárias para abrigas os refugiados, disse ele.

Um canal de TV a cabo de Hong Kong disse que cerca de 1,2 milhão de pessoas também estavam sendo retiradas de Qingchuan, 90 km a nordeste de Beichuan, com a elevação das águas ameaçando romper barreiras de lagos.

A apreensão com a segurança de represas e reservatórios danificados na província de Seichuan é crescente. Seichuan está localizada em uma região montanhosa e ocupa uma área do tamanho da Espanha.

Foram encontrados muitos sobreviventes, incluindo um turista alemão que foi retirado de destroços em Wenchuan, depois de ficar soterrado por 114 horas, informou a Xinhua.

Um homem de 69 anos foi uma das 33 pessoas resgatadas em Beichuan. Ele ficou soterrado por 119 horas. Soldados retiraram 18 cientistas presos em uma floresta nos arredores, em Mianzhu.

Na sexta-feira, soldados retiraram 2.538 pessoas de destroços. Destas, apenas 165 estavam vivas, disse o porta-voz ministerial, uma indicação de que a esperança de encontrar sobreviventes é pequena.

'Embora o momento de maiores chances de resgate tenha passado, salvar vidas continua a ser uma prioridade de nosso trabalho', disse o presidente Hu a sobreviventes traumatizados, apenas uma semana depois que a China celebrou a chegada da tocha olímpica ao topo do Monte Evereste.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.