O presidente Luis Inácio Lula da Silva disse nesta sexta-feira em uma entrevista à BBC que a violência não deve ser impedimento para o Rio de Janeiro sediar os Jogos Olímpicos de 2016, já que em outros países o terrorismo também não é. Se fossemos olhar a violência, iríamos perguntar por que fazer Olimpíada em um país que tem terrorismo? Num país que tem grupos que praticam atentados todo dia?, argumentou Lula na capital chinesa, Pequim, que recebe a Olimpíada este ano.

"No Brasil não tem terrorismo", afirmou.

Lula disse que a violência urbana no Brasil é resultado de más políticas públicas dos governos dos últimos 50 anos. Mas avaliou que isso está mudando com investimentos em educação, transporte e saúde nas favelas.

"O Brasil está preparado. Fizemos os Jogos Panamericanos e não aconteceu um gesto de violência nos jogos. O Brasil é um país de paz", afirmou.

O presidente brasileiro está na China para fazer campanha pela candidatura do Rio de Janeiro às Olimpíadas de 2016. Após Pequim, a próxima cidade a receber os Jogos é Londres, alvo de um atentado terrorista em 2005 e de outras tentativas frustradas desde então.

Direitos humanos
Lula disse que a candidatura carioca foi o tema central de sua visita à China, que não incluiu, segundo ele, discussões sobre a questão dos direitos humanos no país.

"Eu não vim para a China para discutir direitos humanos. Isso eu discuto numa reunião bilateral com o Hu Jintao, quando tiver uma reunião do governo brasileiro com o governo chinês", afirmou o presidente.

"Eu vim aqui apenas para assistir a abertura das Olimpíadas e fazer contatos políticos para convencer os membros do Comitê (Olímpico) Internacional a escolher o Brasil. Eu não poderia perder essa oportunidade e tive um encontro com o presidente da China, mas não discuti as questões que não fossem pertinentes ao esporte", disse Lula.

O tema faz parte de um encontro que o presidente terá ainda nesta sexta-feira com o Comitê Olímpico Internacional (COI), Jacques Rogge.

Lula participa também de uma reunião bilateral com o presidente da Argélia, Abdelaziz Bouteflika.

De lá, segue para o Estádio Nacional, o Ninho de Pássaro, para acompanhar a cerimônia inaugural dos Jogos Olímpicos. À noite, retorna ao Brasil.

Pela manhã, Lula se encontrou com o presidente de Israel, Shimon Peres, na Embaixada brasileira em Pequim e concedeu entrevistas à imprensa internacional.

Na hora do almoço, Lula foi recebido pelo presidente Hu Jintao para uma refeição oficial com todos os chefes de Estado presentes na capital chinesa.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.