Um artigo publicado na edição desta semana da revista britânica The Economist afirma que a vitória do Rio de Janeiro na competição para sediar os Jogos Olímpicos de 2016 foi a parte fácil e destaca os desafios que a cidade e o governo enfrentarão nos próximos seis anos. Sediar os Jogos irá exigir esforços e custos em uma escala que o Rio, uma metrópole pulverizada de problemas com 12 milhões de habitantes, jamais viu, diz a revista.

Segundo o texto, intitulado "Rio's new expensive rings" (Os novos anéis caros do Rio), em referência aos anéis olímpicos, além das novas construções dedicadas ao esporte, como estádios, a cidade ainda precisará se preocupar com a construção de novas pontes e estradas e com a reformulação do "caótico" sistema de transporte.

A revista destaca os gastos do governo e o mau uso da verba dos jogos Pan-Americanos e questiona a capacidade dos políticos de investir o dinheiro das Olimpíadas em benefícios para a cidade.

"Onde contratos para obras públicas são negociáveis e os políticos com tendência à corrupção são a norma, quem garantirá que os US$ 14 bilhões do orçamento dos jogos será bem aplicado?", questiona a Economist.

O artigo destaca ainda que o Rio de Janeiro pode ter sucesso nos Jogos se usar o dinheiro para regenerar a cidade, a exemplo do que fez Barcelona quando foi a cidade-sede das Olimpíadas.

De acordo com a publicação, resta aos políticos brasileiros garantir que os benefícios trazidos ao país com os Jogos Olímpicos superem os custos.

Leia mais sobre Rio 2016

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.