Rice pede que Asean pressione Junta Militar birmanesa

Cingapura, 23 jul (EFE).- A secretária de Estado americana, Condoleezza Rice, pediu hoje à Associação de Nações do Sudeste Asiático (Asean), em Cingapura, que pressione a Junta Militar de Mianmar (antiga Birmânia) para que coloque fim à repressão e realize uma reforma democrática.

EFE |

Rice deu essa mensagem à Asean durante a reunião que manteve com os ministros de Assuntos Exteriores do grupo regional, na qual se destacava a ausência do chanceler birmanês, general Nyan Win, que enviou um representante.

"Achamos que a Asean tem a importante tarefa de se concentrar na raiz dos graves problemas de Mianmar, a repressão do movimento democrático birmanês", disse a secretária americana.

Rice, que em outras ocasiões pediu à Asean para usar seus contatos com Mianmar a fim de conseguir que abra caminho para a democracia, disse depois à imprensa que a organização regional tem que pressionar forte, a fim de que o regime militar liberte a líder do movimento democrático, Aung San Suu Kyi, e mais de mil presos políticos.

A Asean, que, apesar das críticas, mantém em vigor seu princípio da não ingerência dos assuntos internos de seus membros, emitiu na segunda-feira passada um comunicado expressando sua "profunda decepção" com a decisão da Junta Militar de maio de prolongar por mais um ano a prisão domiciliar de Suu Kyi, prêmio Nobel da Paz. EFE mfr/an

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG