Rice pede na Tunísia maiores reformas democráticas e elogia relações

Túnis, 6 set (EFE).- A secretária de Estado americana, Condoleezza Rice, concluiu hoje uma breve visita à Tunísia, apelando a maiores reformas democráticas e elogiando, ao mesmo tempo, as relações com um país que qualificou de amigo e estratégico.

EFE |

Durante sua estadia na capital tunisiana, Rice se reuniu com o presidente da Tunísia, Zine al-Abidine Ben Ali, e seu ministro de Exteriores, Abdelwahab Abdallah, mas, por razões de segurança, cancelou uma visita prevista ao cemitério militar americano.

Também não aconteceu uma entrevista coletiva, e a embaixada dos EUA manifestou que a decisão era do Governo tunisiano, que não deu explicações.

Durante as treze horas aproximadamente que passou na Tunísia, Rice foi cercada por um grande esquema de segurança, que chegou inclusive a obstaculizar a imprensa, e as únicas declarações obtidas foram as feitas ao término de seu encontro com Ben Ali.

A alta funcionária americana disse que tinha tratado de política interna e internacional, de terrorismo, da situação entre os países norte-africanos e do Oriente Médio.

Nesse sentido, agradeceu a cooperação entre Tunísia e EUA sobre a luta contra o terrorismo, tanto no âmbito da troca de informação quanto em aspectos concretos, sobre os quais não quis dar detalhes.

A delegação americana acrescentou que tinha sido abordada a delicada questão dos direitos humanos na Tunísia, sobre a qual o Departamento de Estado mantém uma posição crítica em seus relatórios anuais.

Rice insistiu em suas breves declarações aos jornalistas que os EUA não têm nenhum problema em particular com a Tunísia, e o que deseja é incentivar o presidente Ben Ali a promover reformas democráticas, sejam no aspecto social quanto na liberdade de imprensa. EFE mo/an

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG