Reunião episcopal anglicana não supera cisão sobre homossexualidade

Londres, 3 ago (EFE).- A reunião de bispos anglicanos, que foi iniciada na Inglaterra em 16 de julho, terminou hoje sem que fossem superadas as diferenças em relação à ordenação de clérigos homossexuais ameaçando esta igreja com um cisma.

EFE |

O primaz anglicano e arcebispo de Canterbury, Rowan Williams, decidiu não convidar para essa reunião da Comunhão Anglicana, realizada a cada dez anos, o primeiro bispo anglicano abertamente homossexual, Gene Robinson, cuja ordenação nos Estados Unidos em 2003 provocou graves divisões nessa Igreja.

Com essa medida, Williams tentou preservar a unidade do anglicanismo, dividido também entre os partidários e detratores da ordenação de mulheres para o bispado.

No discurso de fechamento desta assembléia, conhecida como Conferência de Lambeth e que aconteceu na Universidade de Kent em Canterbury (sul da Inglaterra), o primaz admitiu que foram resolvidos os problemas pendentes.

"Durante estes dias juntos, não solucionamos nossos problemas nem reinventamos nossas estruturas. Isso ainda levará tempo", disse Williams perante os 650 bispos e arcebispos que participaram da conferência.

O arcebispo de Canterbury, que lidera uma Igreja com aproximadamente 77 milhões de fiéis no mundo todo, defendeu a necessidade de um "futuro pactuado" que envolva "uma igreja global de comunidades interdependentes".

"Pode ser que não tenhamos acabado com todos os nossos problemas, mas as cartas estão sobre a mesa", assinalou Williams, ao ressaltar que quer convocar, possivelmente no ano que vem, uma reunião de primados para abordar as dificuldades pendentes.

O líder anglicano também se dirigiu aos 200 bispos que boicotaram a conferência em protesto contra a ordenação de bispos homossexuais, entre eles representantes de Nigéria, Ruanda, Uganda e Quênia, assim como de alguns países latino-americanos.

"Nos próximos meses, será importante convidar os ausentes da Conferência de Lambeth a participarem da próxima fase", declarou Williams, ao apontar a necessidade de que a Comunhão esteja unida, "mas não só como uma associação de amigos educados".

Os tradicionalistas anglicanos defendem que várias passagens da Bíblia claramente proíbem a homossexualidade, enquanto o setor liberal alega que a mensagem geral da Bíblia é que todo o mundo deveria ser incluído na Igreja. EFE pa/bm/rr

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG